Ariana Cubillos/AP Photo
Ariana Cubillos/AP Photo

Governo dos EUA aplica sanções contra filho do presidente da Venezuela

Nicolás Ernesto Maduro Guerra, conhecido como 'Nicolasito', está proibido de fazer negócios com empresas e pessoas americanas, além de ter os investimentos congelados nos EUA

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2019 | 15h24

O governo do presidente americano Donald Trump aumentou a pressão contra a Venezuela nesta sexta-feira, 28, ao aplicar novas sanções contra o filho do presidente Nicolás Maduro, conhecido como “Nicolasito”.

O Departamento do Tesouro americano alega que Nicolás Ernesto Maduro Guerra, de 29 anos, se envolveu em propaganda pró governo, censura e enriquecimento ilícito por meio da mineração na Venezuela junto com o pai e a primeira-dama Cilia Flores. Segundo o Departamento, ele também é responsável por desenvolver uma estratégia no começo de 2019 para pressionar o Exército Nacional a manter ajuda humanitária fora do país, que se encontra em uma grave crise econômica e social.

“Maduro se apoia em seu filho Nicolasito e em outros próximos ao seu regime autoritário para manter um estrangulamento na economia e reprimir o povo venezuelano”, afirmou o secretário Steven Mnuchin, que acompanha a comitiva do presidente Trump em Osaka, no Japão, para o encontro do G-20. “O Tesouro continuará a focar em parentes cúmplices do regime ilegítimo que estão se beneficiando da corrupção aplicada por Maduro”.

Maduro colocou o filho como dirigente da Corpo de Inspetores Socialistas da presidência da república. Ele também é membro da Assembleia Nacional Constituinte, um órgão pró-Maduro criado pelo governo em 2017 para sobrepor a Assembleia Nacional, controlada pela oposição liderada por Juan Guaidó.

Os EUA não reconhecem a Assembleia Nacional Constituinte como legítima, e previamente aplicaram sanções a outros membros do órgão.

O fato do Tesouro americano aplicar as sanções significa que qualquer investimento em nome de “Nicolasito” nos EUA será congelado, o que também dificultará transações no sistema bancário internacional. Maduro Guerra também está proibido de fazer negócios com pessoas e empresas americanas. / REUTERS e AFP

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.