Governo dos EUA dará status de aliado preferencial ao Brasil

Governo dos EUA dará status de aliado preferencial ao Brasil

Parceria estratégica será anunciada durante visita de Jair Bolsonaro a Washington, na semana que vem

Beatriz Bulla, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2019 | 22h22

Os EUA darão ao Brasil status de aliado preferencial fora da Otan durante visita do presidente Jair Bolsonaro a Washington, na semana que vem. O significado imediato, segundo fontes envolvidas nas negociações, é simbólico. Com a designação, o governo brasileiro passa a ter posição prioritária em cooperação na área de Defesa. A ideia partiu dos próprios americanos. Mais de uma dúzia de países são considerados aliados estratégicos militares dos EUA e possuem a mesma designação, incluindo Argentina, Jordânia e Tunísia. 

Em contrapartida, autoridades americanas não terá apoio dos EUA para entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Para o Brasil, a adesão seria um selo de confiança internacional, especialmente para investidores e empresas. O Brasil é um parceiro-chave da OCDE desde 2007 e solicitou a entrada como membro em 2017. 

A Casa Branca, porém, é contra a entrada simultânea de vários países na organização sob alegação de que isso prejudica o trabalho da OCDE. A fila de países que já pediram para entrar inclui Argentina, Peru, Croácia, Romênia e Bulgária. O presidente dois EUA, Donald Trump, já se manifestou a favor da candidatura dos argentinos. Por isso, o governo brasileiro quer que os americanos pelo menos reconheçam publicamente que o Brasil tem condições de entrar como membro no futuro.

Nas conversas com o governo brasileiro, no entanto, os americanos se mostram divididos. Há um grupo que questiona a própria OCDE e avalia que a ampliação tem deixa o bloco custoso e ineficiente, enquanto outro se mostra mais sensível à reivindicação do Brasil. Sabendo disso, os negociadores brasileiros parecem conformados com a falta de apoio formal dos EUA. 

A esperança, no entanto, é de que na conversa com Trump Bolsonaro consiga algumas concessões. Ex-assessores da Casa Branca apostam que, pelo caráter imprevisível do presidente americano, ele poderia assumir o compromisso publicamente se um pedido for feito pelo brasileiro, ainda que isso não se traduza em apoio formal imediato.

Para a diretora de comércio internacional da BMJ Consultores, Renata Amaral, a adesão à OCDE mostra que o País está “comprometido com reformas de longo prazo e as práticas brasileiras de competitividade estão alinhadas” com os parâmetros do grupo. “O governo de Michel Temer avançou muito no ambiente regulatório que a OCDE exige e o time do Bolsonaro está engajado nessa discussão agora”, afirmou Renata.

O novo status como aliado estratégico facilitará a transferência de tecnologia no momento em que a indústria aeroespacial brasileira está tentando criar uma nova relação com os EUA, após a associação entre a Embraer e a Boeing. No ano passado, Trump embarcou em uma política de exportação de armas para ajudar o setor de Defesa americano e competir contra russos e chineses.

Durante a visita, os dois governos devem anunciar um acordo de salvaguardas para uso comercial da base de Alcântara. A expectativa do governo brasileiro é conseguir trazer para o país uma parte dos US$ 300 bilhões investidos anualmente no lançamento de satélites, atraindo empresas americanas interessadas nos custos menores dos lançamentos feitos em Alcântara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.