Governo dos EUA quer mais poder contra o terrorismo

Em meio às denúncias de violação dos direitos de centenas de imigrantes ilegais - principalmente, árabes e muçulmanos -, o secretário de Justiça dos EUA, John Ashcroft, pediu ao Congresso americano mais poderes para manter presos, por tempo indeterminado, suspeitos de terrorismo à espera de julgamento, e a aplicação de pena de morte ou prisão perpétua para responsáveis por qualquer ação terrorista.Ashcroft, numa audiência na Comissão de Justiça da Câmara, disse que a Lei Patriótica, promulgada após os ataques de 11 de setembro de 2001 para reforçar as medidas legais contra grupos terroristas, deve ser reformada para permitir a apresentação de acusações contra qualquer pessoa que apóie ou colabore com organizações que promovem o terror."A lei tem muitos pontos fracos que os terroristas podem explorar, debilitando nossas defesas", disse Ashcroft. "A Lei Patriótica tem ajudado a evitar novos ataques terroristas contra americanos", declarou Ashcroft.Na véspera, jornais americanos tinham difundido um relatório da Inspetoria Geral do Departamento de Justiça - que funciona como uma espécie de corregedoria judicial - que apontava para "problemas significativos" na detenção de 762 estrangeiros presos, nos dias que se seguiram aos ataques, por violação das leis de imigração. O documento, de 198 páginas, relata casos de constrangimento ilegal durante interrogatórios."Estamos preocupados com o modo como o sr. tem usado seu poder e com a forma como o sr. tem detido imigrantes", disse a Ashcroft, durante a audiência, a deputada democrata da Califórnia Maxine Walters. "Deixem-me apenas dizer uma coisa", replicou Ashcroft. "Todos aqueles indivíduos estavam nos EUA ilegalmente. A política do Departamento de Justiça, pela qual não nos desculpamos, é a de conhecermos claramente cada um deles antes que fossem liberados e deportados. Acreditamos que essa é a política correta para proteger o povo americano."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.