REUTERS/Eliana Aponte/File
REUTERS/Eliana Aponte/File

Governo e Farc começam programa para substituir cultivos ilícitos de coca

O quarto ponto do acordo de paz assinado pelo governo colombiano e pelas Farc, em 24 de novembro, em Bogotá, trata de um pacto para a eliminação dos cultivos ilícitos no país

O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2017 | 20h20

BOGOTÁ - O governo colombiano e as Farc anunciaram nesta sexta-feira, 27, que iniciaram um programa para substituir, aproximadamente, 50 mil hectares de cultivos ilícitos de coca durante o primeiro ano de sua implementação, e que em um primeiro momento será desenvolvido em 40 municípios do país.

O programa terá orçamento inicial de 1 trilhão de pesos (mais de R$ 1 bilhão) que procederá totalmente do orçamento nacional, segundo explicou em entrevista coletiva o alto conselheiro para o pós-conflicto, Rafael Pardo, que detalhou que espera que exista colaboração internacional.

O quarto ponto do acordo de paz assinado pelo governo colombiano e pelas Farc, em 24 de novembro, em Bogotá, trata de um pacto para a eliminação dos cultivos ilícitos no país, que permitirá às comunidades participar ativamente da construção e do desenvolvimento dos projetos produtivos para a substituição. As Farc terão a responsabilidade de acompanhar e promover de maneira direta a chegada do programa aos territórios mais afetados, a fim de socializar e garantir seu compromisso com a solução definitiva ao problema das drogas ilícitas.

O plano não atenderá quem plantou depois de 10 de julho de 2016, quando começou o esforço conjunto de substituição voluntária de cultivos entre o governo Nacional e as Farc no município de Briceño, no departamento de Antioquia (noroeste). Neste sentido, Pardo comentou que, inicialmente, o programa terá seu foco nesses 40 municípios que "produzem 50% da coca do país".

O compromisso dos camponeses com a substituição voluntária tem como essência o abandono de forma imediata dos cultivos de uso ilícito e de qualquer outra atividade relacionada a eles.

As famílias que formalizarem compromisso com a substituição voluntária terão lucro durante o primeiro ano. Cada uma receberá 1 milhão de pesos (R$ 1.071) por mês e a preparação de terras para sementes legais ou trabalho em obras públicas de interesse comunitário.

Além disso, receberão 1.800.000 pesos (R$ 1.935) para a implementação de projetos autossustentáveis e segurança alimentar. Por fim, elas receberão 9 milhões de pesos (R$ 9.453) de uma só vez, para adequação e execução de projetos de ciclo curto e renda rápida como piscicultura e avicultura, entre outros.

Para o membro do secretariado das Farc Félix Antonio Muñoz, conhecido como "Pastor Alape", "o espírito" do projeto é que os camponeses se envolvam na substituição dos cultivos. "(Este plano) desperta a esperança de construir um novo país", disse "Alape". / EFE

 

Mais conteúdo sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.