Governo e guerrilha retomam diálogo no Nepal

Os líderes da aliança de governo do Nepal e os da guerrilha maoísta retomaram o diálogo sobre o futuro político do país. A reunião de segunda-feira terminou sem o esperado anúncio de desarmamento dos rebeldes. As conversações, que começaram num clima de grande otimismo, foram dificultadas pelas divergências sobre o papel da monarquia no futuro sistema político nepalês e sobre a representação dos diferentes partidos no Parlamento interino. Uma fonte próxima à negociação disse que os principais dirigentes não se sentaram juntos. Analistas interpretam isso como um sinal de que ainda existem diferenças importantes. Mesmo assim, ainda se espera o anúncio do desarmamento da guerrilha, após uma década de luta armada, que causou mais de 13 mil mortes no país. O Partido do Congresso Nepalês, o principal da aliança governista, e os maoístas concordam em convocar uma Assembléia Constituinte. Mas o Partido Comunista, segunda força política do país, insiste num plebiscito para decidir sobre o futuro da monarquia. O Governo e a guerrilha maoísta iniciaram as negociações de paz em junho, dois meses depois de uma violenta revolta popular obrigar o rei Gyanendra a renunciar ao absolutismo.

Agencia Estado,

07 Novembro 2006 | 05h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.