Governo é maior autor de suborno no México, diz estudo

A polícia é a envolvida mais frequente nos casos de pedido de suborno no México, afirma um estudo sobre corrupção realizado pela Bribeline, organização sediada nos Estados Unidos. O relatório também afirma que 85% das solicitações de suborno são provenientes de pessoas relacionadas ao governo mexicano.

AE-AP, Agência Estado

26 de março de 2010 | 16h37

Dos pedidos de suborno, 45% foram feitos pela polícia, 12% por funcionários do governo federal e o restante por funcionários locais, judiciais, militares e do partido governante. A análise, publicada ontem foi baseada em 151 relatos recebidos entre julho de 2007 e janeiro de 2010.

"Os índices de extorsão no México são muito altos e o nível de participação da política é elevado", disse Alexandra Wrage, presidente da organização sem fins lucrativos Trace International, que criou o Bribeline e ajuda as empresas a combater a prática do suborno. "Isso é aterrorizante."

O site da Bribeline, disponível em 21 línguas, foi criado em 2007 e permite que pessoas de todo o mundo relatem, anonimamente, casos de suborno utilizando questionários de múltiplas opções. O objetivo é estudar os promotores do suborno em todo o mundo.

Quase metade dos mexicanos que responderam ao questionário disse que lhes foi solicitado dinheiro, incluindo pagamentos para evitar danos a pessoas ou estabelecimentos. Menos de 30% afirmaram que o suborno foi pedido para a obtenção de um tratamento preferencial, como conquistar um contrato empresarial. O Bribeline não mede a extensão do problema do suborno nos países, mas outros estudos consideram que ele é grave no México.

O presidente mexicano Felipe Calderón reconheceu que a corrupção política está muito arraigada no país. Desde o fim de 2006, quando assumiu o cargo, milhares de agentes policiais foram detidos ou demitidos por corrupção, dentre eles pessoas com vínculos com os cartéis de drogas e outros grupos criminosos.

Aproximadamente 65% dos pedidos de suborno no México correspondem a valores menores que US$ 5 mil. Wrage disse que isso torna mais difícil para uma empresa rastrear quanto dinheiro perde por causa dessa prática. Mais de 60% dos pesquisados mexicanos disseram que lhes foi solicitado o mesmo suborno em várias ocasiões no período de um ano.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicosubornosgovernoestudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.