Governo e oposição confirmam mais duas mortes na Venezuela

Funcionário público e universitário foram mortos na noite de terça-feira durante protestos

O Estado de S. Paulo,

19 de março de 2014 | 13h50

Um funcionário público foi assassinado quando tentava desfazer uma barricada em um bairro de classe média no oeste de Caracas, informou nesta quarta-feira, 19, pelo Twitter o prefeito da cidade, Jorge Rodriguéz.

Rodriguéz não forneceu mais detalhes do caso e somente disse que o homem era funcionário da prefeitura e se chamava Francisco Rosendo Marín. O prefeito escreveu que Marin foi assassinado por "terroristas" quando "desfazia uma barricada" no bairro de classe média de Montalbán.

A morte do funcionário público foi divulgada no mesmo dia em que a oposição relatou o falecimento de um estudante de engenharia mecânica de 18 anos, identificado como Anthony Rojas. O universitário morreu na noite desta terça-feira depois de receber vários tiros na cabeça em um bairro popular de Táriba, estado de Táchira, em um incidente com versões conflitantes.

O reitor da instituição na qual Rojas estudava, Raúl Casanova, disse à AP que o universitário morreu em uma "ação fortuita enquanto estava em um bar e havia criminosos armados, que o assassinaram a sangue frio", uma versão que um familiar havia lhe contado.

No entanto, o opositor Jorge Mora, presidente do conselho municipal de Táriba, disse à reportagem que o estudante, que participou de protestos antigovernamentais, era seguido por "grupos armados pró-governo, que o feriram mortalmente". Segundo Mora, uma mulher também ficou ferida no incidente.

As autoridades da justiça Venezuela não emitiram nenhum comunicado sobre as mortes. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.