Governo e oposição não se entendem na Bolívia

A segunda rodada de negociações entre o governo de Evo Morales e a oposição sobre a crise na Bolívia não produziu resultados e as conversas continuarão neste domingo, informou o vice-presidente Álvaro García Linera. Linera se reuniu com representantes das forças políticas de oposição Poder Democrático e Social (Podemos), Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR) e União Nacional (UN), assim como do situacionista Movimento Ao Socialismo (MAS). A oposição se opõe ao mecanismo de maioria absoluta no sistema de voto da Assembléia Constituinte, imposto pelo MAS para aprovar os artigos da nova Constituição Política do Estado. O líder da UN, Samuel Doria Medina e uma centena de militantes estão há doze dias em greve de fome contra a fórmula de voto de dois terços para aprovar as decisões da Assembléia Constituinte. A crise se agravou na terça-feira passada, quando os legisladores do Podemos deixaram de assistir às sessões da Câmara de Senadores, o que impediu a aprovação de vários projetos de lei. A medida interrompeu a discussão, entre outros, dos 44 contratos que o presidente Evo Morales assinou no final do mês passado com as petrolíferas transnacionais que operam na Bolívia. García Linera, em exercício da Presidência devido à viagem internacional iniciada no sábado por Morales, acrescentou que as conversas não foram interrompidas e serão retomadas no domingo. Além dos dois terços na Constituinte, os partidos da oposição atuam como porta-vozes dos departamentos (províncias) autonomistas de Santa Cruz, Beni, Tarija e Pando, e exigem consenso nas mudanças que o MAS propõe à Lei Agrária e ao projeto de censura aos perfeitos regionais (governadores) dos distritos. A tensão aumentou com a manifestação de índios e camponeses que se dirigem de vários locais do país em direção à sede do governo e do Legislativo, em La Paz, para pressionar a aprovação das reformas socialistas. As províncias autonomistas também ameaçam realizar ações de protesto.

Agencia Estado,

26 Novembro 2006 | 00h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.