Governo egípcio culpa Irmandade por morte de seus militantes e prende líder

O governo de facto do Egito anunciou ontem a prisão de líderes da Irmandade Muçulmana, o movimento islâmico que apoia Mohamed Morsi, presidente eleito no ano passado e deposto por um golpe militar há oito dias. Entre os detidos está o guia supremo do grupo, Mohamed Badie, acusado de ter incitado militantes à violência, o que teria causado o massacre de Nasr City, que deixou pelo menos 51 mortos na segunda-feira.

ANDREI NETTO , ENVIADO ESPECIAL / CAIRO, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2013 | 02h04

A decisão ocorreu horas depois de os islamistas terem rejeitado participar do gabinete interino, mantendo sua mobilização no Cairo.

O novo episódio da crise política do Egito começou na noite de ontem, quando o presidente interino Adli Mansour ofereceu ministérios à Irmandade Muçulmana em troca de apoio ao governo "de transição". A recusa veio poucas horas depois. "Não pactuaremos com golpistas", afirmou à agência France Presse Tariq al-Morsi, um dos porta-vozes da Irmandade. "Rejeitamos tudo o que emana desse golpe."

Ao Estado, Abdul Rahman al-Ber, porta-voz e um dos membros graduados do Comitê do Conselho da Irmandade, afirmou que a única hipótese de negociações é a que inclui o retorno do presidente deposto ao poder. "A única saída é devolver o governo a Morsi. Uma vez que isso aconteça, podemos negociar o que quer que seja", garantiu. "É o único caminho legítimo."

Coincidência ou não, a negativa da Irmandade em colaborar com o governo de facto foi seguida de ordens de prisão. O primeiro alvo é Badie, mas cerca de 200 outros militantes islamistas responderão na Justiça por crimes de "assassinato", "incitação à violência", "porte ilegal de armas" e "distúrbios da ordem pública". Os suspeitos permanecerão presos nos próximos 20 dias e serão acusados de participar de forma direta ou indireta dos choques com as forças de segurança na segunda-feira, na frente do quartel da Guarda Republicana, em Nasr City, no Cairo.

O confronto deixou 51 mortos e mais de 400 feridos. Segundo o governo, dois militares e um policial também morreram, o que causou a abertura de processo. "Essas prisões não nos surpreendem, porque vêm de um regime ditatorial. Esperamos mais iguais a essas", respondeu Abdul Rahman al-Ber.

Enquanto o governo interino lança uma nova onda de prisões de islamistas, o ministro das Relações Exteriores do Egito, Badr Abdelatty, informou ontem que o presidente deposto "por ora não é objeto de nenhum processo judicial". "Morsi está em lugar seguro, para o seu próprio bem, e é tratado dignamente", afirmou o chanceler, em entrevista à TV americana CNN.

Além de lidar com o conflito com a Irmandade, o governo de Mansour também tenta contornar as deserções na coalizão que apoiou o golpe. Ontem, o Tamarod, movimento jovem que lançou a petição pela destituição de Morsi, voltou a criticar o documento que deve servir de base para a redação da nova Constituição, a ser submetida a novo referendo ainda em 2013. "A Declaração Constitucional ameaça abortar a 'revolução de 30 de junho'", afirmou o movimento via Twitter. O grupo convocou uma nova manifestação para amanhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.