Víctor Lerena|EFE
Víctor Lerena|EFE

Governo espanhol destitui chefe da polícia regional da Catalunha

Saída de Trapero não foi antecipada ontem no pacote de iniciativas anunciadas pelo presidente do Governo, Mariano Rajoy

Reuters, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2017 | 08h20

BARCELONA - O governo espanhol destituiu o chefe da polícia regional da Catalunha, Josep Lluis Trapero, enquanto o governo de Madri toma controle da região autônoma para bloquear seu impulso pela independência.

Houve dúvidas sobre como os Mossos d'Esquadra, como a polícia catalã é chamada, responderia se for pedida para expulsar o líder demitido Carles Puigdemont e seu governo. Em um esforço para desarmar as tensões, a força policial regional pediu aos seus membros que se comportassem de forma neutra e não para tomar partido, observou uma nota interna observada no sábado.

Trapero tornou-se um herói para os separatistas depois que sua força tomou uma posição muito mais suave do que a polícia nacional na imposição de uma proibição do governo sobre um referendo de independência em 1 de outubro. A força é atraída pela desconfiança entre aqueles para e contra a independência e está afastado do país nacional da Espanha forças policiais, disseram polícias da Mossos e da polícia nacional. 

+ Madri derruba governo catalão, chama eleição regional e alimenta protestos

"Dado que é provável que haja um aumento nos encontros e manifestações de cidadãos em todo o território e que há pessoas de diferentes pensamentos, devemos lembrar que é nossa responsabilidade garantir a segurança de todos e ajudá-los a tomar lugar sem incidentes ", disse o memorando. A demissão de Trapero foi assinada pelo ministro espanhol do Interior, Juan Ignacio Zoido. Tribunal proibido da Espanha proibido na semana passada Trapero deixou a Espanha e apreendeu seu passaporte como parte de uma investigação por suposta sedição, embora não tenha ordenado sua prisão. Os promotores afirmam que não conseguiram dar ordens para resgatar policiais nacionais presos no prédio de Barcelona durante protestos pró-independência no mês passado./REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.