Enrique García Medina/Efe
Enrique García Medina/Efe

Governo espanhol promete represálias caso a Argentina nacionalize a YPF

Petrolífera controlada pela espanhola Repsol tem mais de metade da produção no país argentino

estadão.com.br,

13 de abril de 2012 | 16h28

MADRI - O governo espanhol advertiu à Argentina nesta sexta-feira, 13, que irá agir com represálias caso o governo de Cristina Kirchner decida estatizar a petrolífera YPF no país, atualmente sob controle da espanhola Repsol.

O valor da companhia já foi reduzido a um terço do original em virtude das disputas, e a Espanha promete uma resposta com ruptura econômica e sanções.

Nas últimas semanas, o governo argentino pressionou a YPF-Repsol, maior fornecedora de energia da América Latina, para que aumente seus investimentos no país, com a suspensão de concessões. A atitude gerou boatos de uma eventual expropriação da companhia do país.

O governo espanhol pediu nesta sexta que o embaixador argentino no país, Carlos Bettini, esclareça a situação da petrolífera argentina, responsável por mais de 50% da produção da Repsol-YPF

"A ruputura de uma negociação entre Argentina e Espanha não seria só em termos econômicos, mas também de uma relação fraternal que temos há muito tempo", declarou o Ministro das Relações Exteriores espanhol José Manuel García-Margallo.

Nenhum funcionário de alto escalão do governo argentino se referiu hoje ao conflito da YPF-Repsol, segundo a agência de notícias Efe.

O novo embaixador espanhol na Argentina, Roman Oyarzún, acompanhou durante a última semana a atividade do presidente da Repsol, e se reuniu com empresários e embaixadores europeus em Buenos Aires.

 
Tudo o que sabemos sobre:
YPFArgentinaEspanhaestatização

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.