Governo espanhol quer banir braço político do ETA

O governo espanhol do primeiro-ministro José María Aznar deu início hoje aos procedimentos legais para colocar na ilegalidade o Herri Batasuna, considerado braço político do ETA. Em contrapartida, o porta-voz do partido afirmou que a situação se tornará "muito mais dramática" se esta medida se concretizar. Segundo fontes oficiais, o ministro espanhol da Justiça, José María Michavila, entregou ao procurador geral do Estado "todo o material de que dispõe" sobre o Batasuna "para colocar em marcha a proibição legal" desta força política. A lei dos partidos políticos, reformada recentemente com a aprovação de mais de 95% dos legisladores de Madri, a pedido do governo direitista de Aznar, prevê que se uma força política não condenar a violência como forma de luta, um grupo de deputados e senadores pode pedir ao Tribunal Sumpremo que ela seja proscrita. De fato, essa reforma teve por objetivo principal o Batasuna, cujos dirigentes acusam Aznar de não ter feito tentativas sérias para avançar nas negociações de paz durante uma trégua do grupo armado separatista basco ETA (sigla de Pátria Basca e Liberdade, na língua basca). Após o atentado de domingo em Santa Pola - na costa valenciana, no leste da Espanha -, no qual morreram duas pessoas, o Batasuna não condenou esta ação do ETA nos termos exigidos por Aznar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.