Governo fecha rádio oposicionista em Honduras

O governo de facto de Honduras fechou hoje uma importante emissora oposicionista, a rádio Globo de Tegucigalpa. Ontem, o governo de facto anunciou a suspensão por 45 dias dos direitos civis, restringindo a liberdade de circulação, de expressão e da imprensa, além de proibir reuniões públicas, segundo informação do site do jornal hondurenho "La Prensa".

AE, Agencia Estado

28 de setembro de 2009 | 10h48

A imprensa teve sua liberdade restringida, ficando proibida de divulgar mensagens que "atentem contra a paz e a ordem pública". O órgão de regulação foi autorizado a suspender qualquer emissora de rádio ou TV que "provoque a insurreição".

Honduras vive uma crise política, aprofundada desde a volta do presidente deposto Manuel Zelaya ao país. Zelaya retornou a Tegucigalpa há uma semana e desde então está na Embaixada do Brasil.

Há um impasse entre o governo de facto, liderado por Roberto Micheletti, e Zelaya. O líder deposto pretende voltar ao poder, mas Micheletti e seus aliados dizem que não aceitarão seu retorno. No domingo, o governo de facto ameaçou expulsar diplomatas brasileiros, caso o país não defina em 10 dias o status de Zelaya. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu, afirmando que "o governo brasileiro não acata o ultimato de um golpista, usurpador de poder".

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasrádiofechamentoManuel Zelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.