Governo filipino promete esforços para libertar seqüestrados

A presidente das Filipinas, Gloria Macapagal Arroyo, prometeu nesta quarta-feira às famílias dos 24 marinheiros filipinos seqüestrados na Nigéria que o governo esgotará todas as formas de tentar a sua libertação. O porta-voz presidencial, Ignacio Bunye, informou que o Executivo está em contato permanente com as autoridades nigerianas. "Confiamos que serão capazes de persuadir os seqüestradores", afirmou. O governo filipino já anunciou ontem que não participará diretamente nas negociações com o Movimento para a Emancipação do Delta do Níger (Mend), grupo que assumiu a autoria do seqüestro. Mas dois funcionários da embaixada das Filipinas na Nigéria acompanham o processo. Manila afirma não ter conhecimento das reivindicações específicas do Mend nem de qualquer pedido de resgate. O governo confirmou ontem à noite que são 24 os trabalhadoresfilipinos cativos. Entre eles, 17 foram levados a uma aldeia nigeriana e sete permanecem em sua embarcação, ancorada em águas da região do delta do Níger, segundo fontes do Ministério de Relações Exteriores filipino. Bunye acrescentou que continua em vigor a proibição de viagens àNigéria ordenada na segunda-feira pela presidente. Mais de 3.900filipinos trabalham hoje em território nigeriano, a maioria no setorPetroleiro. Os marinheiros foram seqüestrados no fim de semana por membros do Mend quando trabalhavam num cargueiro da companhia alemã Baco Liner. Outros três filipinos seqüestrados pelo Mend em dezembro já foram soltos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.