Governo indiano convida rebeldes para conversar

O governo indiano convocou hoje o principal grupo separatista da Caxemira para negociar um acordo para a disputa de mais de cinco décadas pelo território himalaio. A convocação foi feita por K.C. Pant, vice-presidente da Comissão de Planejamento. Ele foi nomeado pelo governo do primeiro-ministro da Índia, Atal Bihari Vajpayee, para trabalhar na iniciativa de paz. "Para a primeira rodada de conversações, convidei ex-funcionários do alto escalão do governo, ocupantes de cargos de eleição popular, líderes de diversos partidos políticos, parlamentares e líderes de outros grupos, inclusive da Conferência Hurriyat (Liberdade) de Todos os Partidos", informou Pant à imprensa. O comitê político de Conferência Hurriyat - organização de proteção a grupos separatistas políticos e religiosos de Caxemira - tem programada para esta semana uma reunião em Srinagar, capital de verão do Estado indiano da Caxemira, para analisar o convite. Mas a organização exige que o governo do Paquistão seja convidado para participar de qualquer diálogo encaminhado para buscar uma solução para a disputa. Ela também pede que o governo indiano conceda permissão a uma delegação da Conferência Hurriyat para visitar a capital paquistanesa para uma reunião com representantes do governo local e de grupos militantes islâmicos que lutam para obter independência da porção indiana da Caxemira. Por enquanto, a Índia rechaçou tais exigências. Pelo menos 30.000 pessoas já morreram na Caxemira desde o início de um levante islâmico em 1989, de acordo com informações fornecidas pelo governo indiano. Grupos de direitos humanos calculam que o número seja duas vezes maior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.