Governo indonésio aprova fundo para vítimas do tsunami

O governo da Indonésia aprovou um fundo de 1 bilhão de rupias (US$ 1,1 milhão) para os trabalhos humanitários no sul da ilha de Java, na área devastada por um tsunami (onda gigante) que causou cerca de 350 mortes e deixou milhares de desabrigados.O vice-presidente Jusuf Kalla informou nesta terça-feira aos meios de comunicação em Jacarta que o dinheiro será utilizado para o atendimento de feridos, para alimentar e abrigar as pessoas desabrigadas e deslocadas.O Ministério da Saúde confirmou 337 mortes, 510 pessoas feridas e 165 desaparecidas, embora a imprensa local fale em 357 mortos e dezenas de milhares de deslocados e desabrigados.Entre as vítimas mortais há sete estrangeiros, entre eles um holandês, um sueco, um japonês e um paquistanês, enquanto entre os desaparecidos estão duas crianças suecas que passavam férias em Pangandaran.Kalla explicou que o alerta de tsunami fracassou na Indonésia porque não houve tempo para reagir.O Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, situado no Havaí (EUA), emitiu um alarme logo depois de detectar na segunda-feira, às 5h19 de Brasília, um maremoto de 7,7 graus de magnitude no Oceano Índico, cerca de 355 quilômetros ao sudeste de Jacarta e a 48,6 quilômetros de profundidade.Cerca de 15 a 20 minutos mais tarde, ondas de até cinco metros de altura chegavam ao sudoeste de Java. Graças à exaustiva cobertura do tsunami de 2004, que afetou 12 Estados do Índico e matou 226.400 pessoas, dois terços delas na Indonésia, muitos javaneses reconheceram o perigo ao ver que a água do mar recuava e correram aterrorizados para longe da praia. Enquanto corriam para áreas elevadas ou mesquitas, alertavam os vizinhos.Esta nova catástrofe natural acontece menos de dois meses depois de um tremor de 6,8 graus de magnitude matar 6 mil pessoas na área central de Java.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.