Governo iraquiano assume controle das Forças Armadas

O Iraque assumiu, formalmente, o comando de suas Forças Armadas, que deixa de ser exercido pela coalizão liderada pelos Estados Unidos nesta quinta-feira. Autoridades americanas saúdam o evento como um passo importante no caminho do Iraque rumo à independência e à retirada das forças estrangeiras do país. A despeito disso, o derramamento de sangue continua. Horas antes da cerimônia de troca de comando, seis ataques a bomba, visando patrulhas da polícia em Bagdá, mataram pelo menos 17 pessoas e feriram mais de 50.A entrega do controle da segurança nacional iraquiana é vital para a retirada das forças americanas do Iraque. Depois de debandar o exército iraquiano ao final da invasão de 2003, forças da coalizão passaram a treinar uma nova força militar iraquiana. Não obstante, não está claro a velocidade com que essas forças estarão preparadas para assumir as tarefas de segurança."De hoje em diante, as responsabilidades das Forças Armadas iraquianas serão, cada vez mais, definidas e comandadas por iraquianos", disse o general George Casey, na cerimônia que marcou o evento. O premier Nouri al-Maliki e Casey assinaram papéis que colocam o primeiro-ministro no comando direto da Marinha e da Força Aérea, além da 8ª Divisão do Exército."O Exército Iraquiano de hoje foi reconstruído, longe da violência sectária", disse Al-Maliki.A 8ª Divisão esteve envolvida em combates recentes entre forças do governo e milícias xiitas. As tropas da divisão combateram os milicianos na cidade de Diwaniyah, numa batalha que durou 12 horas e deixou 20 soldados e 50 milicianos mortos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.