Governo iraquiano executa 13 assassinos confessos

O Iraque realizou a execução nesta terça-feira, por enforcamento, de 13 réus confessos, terroristas acusados de assassinar e seqüestrar cidadãos iraquianos. As imagens da morte foram distribuídas à mídia internacional pelo governo do Iraque. Desde quando Saddam Hussein foi forçado, pelos EUA, a deixar o governo do país, são raras as imagens de execução mostradas ao público. O governo ordenou a morte dos homens depois de apelos da corte e de o presidente ter aprovado a sentença, disse Busho Ibrahim, subsecretário do Ministério da Justiça. Depois que os Estados Unidos invadiram o Iraque em março de 2003, oficiais norte-americano passaram a considerar o sistema penal iraquiano como incapaz, e ainda baniram a pena de morte. Autoridades iraquianas reinstalaram a pena de morte depois de recuperar o controle em junho de 2004, quando então eles optaram por executar Saddam pelos crimes cometidos durante o regime. Em outra parte da capital, homens em fardas militares roubaram contabilistas do governo e deixaram o banco com bolsas cheias de dinheiro. É o segundo maior roubo em Bagdá em oito dias. Desde que os Estados Unidos começaram a bombardear Bagdá em 2003, aproximadamente 900 milhões de dólares correntes foram tomados do banco central - o que equivale a um quarto das reservas do Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.