Governo israelense terá 27 ministros, 11 do Kadima

O novo Governo israelense, que será apresentado oficialmente nos próximos dias, terá 27 ministros, onze deles pertencentes ao Kadima e sete ao Partido Trabalhista (PL). Segundo fontes do escritório do primeiro-ministro interino, Ehud Olmert, que dirige as negociações após vencer as eleições de 28 de março, em breve será anunciada uma coalizão de Governo apoiada por 84 deputados. Trata-se de um Governo formado por membros do Kadima, o PL, Shas, Yisrael Beiteinu, União da Bíblia e partido dos Aposentados. Nas mãos do Kadima estarão, entre outras, as pastas de Exteriores, Interior, Finanças e Justiça, enquanto ficarão com o PL as de Defesa e Educação. Shas e Yisrael Beiteinu terão três ministros cada. O partido dos Aposentados terá controle sobre um Ministério criado especialmente para assuntos dos aposentados além do de Saúde, e a União da Bíblia terá a pasta restante. Fontes do Kadima e do PL informaram que poderiam assinar o acordo de coalizão entre hoje e amanhã. Fontes do partido Kadima, citadas pelo jornal Ha´aretz criticaram ontem à noite o preço que se pagou ao dirigente do PL, Amir Peretz, que ficou com a pasta da Defesa, e por se comprometer a formar o maior Governo da história, com 27 ministros. O primeiro-ministro se reunirá hoje com Shaul Mofaz e Uriel Reichman, para lhes oferecer postos no Governo, após ter oferecido suas pastas, de Defesa e Educação respectivamente, ao PL.

Agencia Estado,

23 Abril 2006 | 04h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.