Governo italiano lança guerra contra máfia e prende 29 da Camorra

A polícia italiana prendeu ontem na região de Nápoles e Caserta 29 suspeitos de pertencer ao grupo mafioso Camorra. Três dos detidos estavam na lista dos cem mais procurados da Itália e teriam ligação com o ataque de 18 de setembro contra imigrantes africanos, que deixou seis mortos. Na ação, os policiais apreenderam livros contábeis, armas e US$ 143,5 milhões. O ministro do Interior italiano, Roberto Maroni, classificou a operação como um "sério golpe" contra a máfia. "Lançamos uma guerra à Camorra. Queremos exercer uma enorme pressão e mantê-la até que a guerra seja vencida", disse. Em apoio à ação policial, a Justiça expediu cem mandatos de prisão por associação com a máfia, extorsão, posse ilegal de armas, roubo e assassinato. Entre os presos está Guiseppina Nappa, mulher de Francesco Schiavone. O mafioso, que está preso, estaria comandando o grupo com ajuda da mulher. Na semana passada, o governo aprovou o envio de 500 soldados para patrulhar as ruas de Caserta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.