Governo japonês aprova orçamento de 33 bilhões de euros para reconstrução

Objetivo inicial é cobrir custos da fase de reconstrução, que incluirá a limpeza de escombros nas regiões do nordeste afetadas pela catástrofe e a construção de imóveis provisórios para as vítimas

Efe,

22 de abril de 2011 | 03h01

TÓQUIO - O governo do Japão aprovou nesta sexta-feira, 22, um primeiro orçamento extra de mais de 33 bilhões de euros para financiar a primeira fase da reconstrução nas áreas devastadas pelo terremoto seguido de tsunami do dia 11 de março.

 

Está previsto que o orçamento seja apresentado no próximo dia 28 ao Parlamento e espera-se que seja aprovado em 2 de maio, informou a agência local Kyodo.

 

O objetivo é cobrir os custos da fase inicial da reconstrução, que incluirá a limpeza de escombros nas regiões do nordeste afetadas pela catástrofe e a construção de imóveis provisórios para as vítimas.

O terremoto de 9 graus na escala Richter e o tsunami afetaram sobretudo as províncias de Miyagi, Fukushima e Iwate, e deixaram 14.133 mortos e 13.346 feridos, segundo a última apuração policial.

 

A maior parte do orçamento extra, cerca de 10 bilhões de euros, estará destinada a obras públicas, como reconstrução de estradas, portos e restauração de terrenos agrícolas.

 

Outros 3,05 bilhões de euros servirão para a construção de imóveis temporários, e 2,958 bilhões de euros financiarão a retirada das toneladas de escombros deixados pelo pior desastre sofrido pelo Japão após a Segunda Guerra Mundial.

 

Além disso, 411 milhões de euros servirão para cobrir o pagamento de indenizações para os desabrigados, e outros 4,286 bilhões de euros auxiliarão as pequenas empresas das áreas afetadas.

 

O ministro de Finanças do Japão, Yoshihiko Noda, declarou que o novo orçamento não afetará a política de disciplina fiscal, cuja dívida pública ultrapassa o dobro do Produto Interno Bruto (PIB), a maior de um país industrializado.

 

Por esse motivo, o governo não prevê a emissão de novos bônus para financiá-lo, mas a maior parte do novo orçamento provirá de cortes em outros setores, como a ajuda ao desenvolvimento exterior, as contribuições públicas ao programa básico de previdência e o projeto de ajuda financeira às famílias com crianças.

 

Espera-se que o primeiro orçamento extra seja seguido por um segundo e, de acordo com os especialistas, inclusive um terceiro, que junto com o aprovado nesta sexta pelo Gabinete poderiam somar mais de 84 bilhões de euros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.