Governo japonês diz que é seguro pescar a 30 quilômetros de Fukushima

Muitos pescadores haviam deixado de trabalhar por medo dos níveis de radiação e tinham solicitado ao governo uma garantia de que trabalhar em águas japonesas é seguro

Efe,

09 de maio de 2011 | 03h59

TÓQUIO - O governo japonês comunicou aos pescadores que é seguro trabalhar em águas além do perímetro de restrição de 30 quilômetros imposto pelo governo ao redor da usina nuclear de Fukushima Daiichi, informa a rede NHK.

 

Muitos pescadores haviam deixado momentaneamente de trabalhar por medo dos níveis de radiação e tinham solicitado ao governo uma garantia de que trabalhar em águas japonesas é seguro.

 

A Agência de Pesca do Japão enviou essa notificação a representantes da indústria pesqueira e às Prefeituras dos municípios próximos à central depois que a Comissão de Segurança Nuclear fez uma análise da radiação submarina.

 

O estudo assinala que uma pessoa que trabalhe mar adentro ficaria exposta a um máximo de 1,13 milisieverts de radiação ao ano.

 

Também assinalou que aqueles que trabalhem ao longo da costa, sempre a mais de 30 quilômetros da central, seriam expostos a um máximo de 1,43 milisieverts.

 

Embora esses níveis sejam mais altos que a quantidade estabelecida normalmente como limite anual para as pessoas, 1 milisievert ao ano, a comissão considera que não causariam danos à saúde.

 

Mesmo assim, o organismo aconselha que os pescadores meçam a radiação enquanto trabalham e que se cubram para reduzir a exposição da pele.

Após o acidente na central de Fukushima, o mais grave desde o de Chernobyl em 1986, o governo japonês restringiu a navegação em um perímetro de 30 quilômetros ao redor da unidade.

 

Além disso, a Agência de Pesca japonesa revisará junto a indústrias locais os níveis de radiação no pescado e no marisco que for capturado acima das latitudes da província de Kanagawa, a oeste de Tóquio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.