Governo japonês enfrenta revolta, mas mantém maioria

O veterano político Ichiro Ozawa e dezenas de outros parlamentares deixaram nesta segunda-feira o partido governista do Japão, em protesto contra uma proposta de elevação do imposto sobre consumo.

TETSUSHI KAJIMOTO, Reuters

02 de julho de 2012 | 09h09

O governo, no entanto, manteve sua maioria na Câmara e as deserções podem ajudar o primeiro-ministro Yoshihiko Noda a pacificar o que resta do seu Partido Democrático do Japão (PDJ) e a negociar o apoio da oposição para aprovar projetos no Senado, onde o PDJ é minoritário.

"Com certeza Noda está com o champanhe no gelo. Ele vai ficar feliz de ver Ozawa pelas costas", disse Jeffrey Kingston, diretor de estudos asiáticos no campus japonês do Instituto Temple. "Ozawa tem muita bagagem e estava sendo uma dor de cabeça para o partido e para Noda em particular."

Ozawa, de 70 anos, foi um dos articuladores da ascensão do PDJ ao poder, em 2009. Seu grupo se opunha à proposta que eleva de 5 para 10 por cento o imposto sobre consumo num prazo de três anos, alegando que isso viola promessas eleitorais.

O governo, que espera com conter o déficit público com o aumento de impostos, conseguiu aprovar a medida na semana passada na Câmara, com a ajuda da oposição. Houve 57 votos contrários de deputados governistas, e 15 abstenções ou ausências.

Ozawa disse que 38 deputados e 12 senadores --a maioria deles novatos-- vão deixar o PDJ, o que deixa o partido com 251 deputados (em um total de 480).

O chefe da facção rebelde disse que cogita criar um novo partido, no qual a oposição ao aumento tributário e a política nuclear serão prioridades.

Noda disse a jornalistas que o aumento do imposto é "uma reforma necessária para salvaguardar a subsistência de atuais e futuras gerações".

Analistas preveem a aprovação da medida no Senado, com apoio do Partido Liberal Democrático, o principal da oposição.

(Reportagem adicional de Leika Kihara, Kaori Kaneko, Linda Sieg e Kiyoshi Takenaka)

Mais conteúdo sobre:
JAPAOGOVERNOCRISE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.