Governo japonês não planeja ampliar área de evacuação em Fukushima

AIEA acredita existir excessiva radioatividade em um povoado a 40 quilômetros da usina

Efe,

31 Março 2011 | 02h03

TÓQUIO - O governo do Japão informou nesta quinta-feira, 31, que por enquanto não planeja ampliar a área de evacuação de 20 quilômetros em torno da usina nuclear de Fukushima, apesar dos dados da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) mostrarem excessiva radioatividade em um povoado a 40 quilômetros da central.

 

Veja também:

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

O porta-voz do governo, Yukio Edano, disse em entrevista coletiva que os dados da AIEA serão levados em conta, mas insistiu que por enquanto os níveis não representam um risco "imediato" para a saúde.

 

O organismo da ONU para a energia nuclear se mostrou na terça-feira a favor de que a zona de evacuação em torno da usina atômica de Fukushima se estenda ao povoado de Iitate, com sete mil habitantes e situado a 40 quilômetros da central.

 

Os analistas da AIEA assinalaram que os níveis de contaminação na localidade são o dobro do permitido, embora tenham admitido que há incógnitas e possíveis variáveis sobre as medições realizadas.

 

Segundo Edano, o organismo se baseou na contaminação detectada na terra, enquanto o governo japonês considera que, em função das medições de radiação atmosférica, a situação não representa um risco imediato para a saúde.

 

"Se a situação continuar e forem gerados riscos para a saúde, tomaremos medidas", afirmou o porta-voz, antes de garantir que a eventual resposta do governo "não chegará tarde".

 

As autoridades japonesas mantêm a evacuação em um raio de 20 quilômetros ao redor da usina, embora tenha sido recomendado que os moradores da região entre 20 e 30 quilômetros deixem suas casas de forma voluntária, alegando para a solicitação a dificuldade em fazer chegar as provisões necessárias.

 

Mais de 200 mil pessoas foram evacuadas nos arredores da usina nos dias posteriores ao terremoto e o posterior tsunami de 11 de março, que danificaram o sistema de resfriamento da central de Fukushima.

 

A ampliação do raio de evacuação também foi solicitada por analistas de organizações como o Greenpeace, que nesta quarta-feira advertiu sobre os altos níveis de radioatividade registrados na localidade de Iitate.

 

Segundo os analistas enviados ao terreno pela organização ambientalista, no domingo a radiação oscilava entre 7 e 10 microsievert por hora no povoado, enquanto o limite seguro é estabelecido em 1 mil microsievert por ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.