Governo japonês pede que população não estoque combustível e comida

Apelo visa garantir que haja quantidade suficiente de gasolina e alimentos nas áreas devastadas; Japão não enfrenta problemas de escassez do produto veicular, já que vários países ofereceram suas reservas

Efe,

16 de março de 2011 | 05h13

TÓQUIO - O governo do Japão pediu nesta quarta-feira, 16, que a população das regiões a salvo do terremoto tenha moderação à hora de estocar comida e combustível, para garantir que haja quantidade suficiente nas áreas devastadas.

 

"O abastecimento de combustível piora nas zonas mais afetadas pelo terremoto, pelo que colocamos todos os nossos esforços para assegurar a provisão nestes lugares", assinalou o porta-voz do governo, Yukio Edano, em entrevista coletiva.

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

Desta forma, Edano fez o apelo para que os cidadãos evitem o "pânico" nas compras de combustível, dado que a prioridade é o fornecimento nas áreas do país mais afetadas pelo terremoto e o posterior tsunami.

 

O ministro da Defesa japonês, Toshimi Kitazawa, assegurou que sua pasta forneceu combustível que a Força Aérea de Autodefesa do Japão (JASDF) havia armazenado em suas bases por todo o país.

A agência Kyodo informou que essas reservas de combustível serão repartidas a partir desta quarta-feira, 16, por avião na província de Miyagi, a mais devastada pelo tremor.

 

Edano indicou que o Japão não enfrenta problemas de escassez de gasolina, já que vários países ofereceram suas reservas.

 

Com relação aos alimentos, o porta-voz do governo pediu calma com os estoques, depois que ficaram vazias as estantes de alguns supermercados.

 

Edano disse que os cidadãos não devem se preocupar com a falta de provisão de produtos de primeira necessidade, e o ministro da Agricultura, Michihiko Kano, afirmou que os depósitos governamentais liberarão suas reservas de arroz.

 

"Peço ao público que atue com calma e não acumule mais alimentos dos necessários pela urgente necessidade nas zonas devastadas", indicou Kano.

 

As autoridades também pediram que a população continue a economizar energia, enquanto mais blecautes são esperados devido à crise na usina nuclear de Fukushima.

 

A Tokyo Electric Power acredita que precisarão ser mantidos até o fim de abril os cortes de luz em várias províncias da ilha de Honshu, que por enquanto não afetarão o centro de Tóquio.

Tudo o que sabemos sobre:
Japão, terremoto, tragédia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.