Governo Kirchner perde maioria no Congresso argentino

A coalizão de centro-esquerda que apoia a presidente argentina Cristina Kirchner perdeu o controle do Congresso nas importantes eleições de meio de mandato. Até o marido de Cristina, o ex-presidente Néstor Kirchner, perdeu a disputa na província de Buenos Aires, onde concorria a uma vaga na Câmara de Deputados.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

29 de junho de 2009 | 06h48

"A sociedade argentina mandou um recado ao governo", comentou o analista político Rosendo Fraga. "Ele tem de mudar de curso."

Contabilizados os resultados de mais de três quartos das urnas, a coalizão apoiada pelo casal Kirchner perdia quatro assentos no Senado e o controle da Casa, que tem 72 membros. Com 36 cadeiras no Senado ainda sob controle, a coalizão governista "Frente para a Vitória" estava com um assento a menos do que o necessário para ficar com a maioria.

"Tornamo-nos a principal força de oposição", proclamou o líder da oposição de centro-direita Ricardo Alfoncin, que obteve uma cadeira na Câmara, agora também sob controle dos oposicionistas.

Néstor Kirchner, que sofreu um duplo revés com a derrota de sua candidatura, admitiu ter perdido por um ponto e meio ou dois pontos porcentuais. "Não temos nenhum problema em reconhecer isso", afirmou.

Uma aliança de dissidentes do peronismo, incluindo o rico empresário Francisco de Narváez e o prefeito de Buenos Aires Mauricio Macri, derrotou Néstor Kirchner. De Narváez representa a volta, dentro do Partido Peronista, das ideias neoliberais do ex-presidente Carlos Menem. "Viramos uma página na história argentina", declarou Narváez, após a vitória. "Uma nova história vai surgir na vida de cada argentino."

A coalizão governista também sofreu pesadas derrotas na capital e nas províncias de Buenos Aires, Santa Fé, Córdoba e Mendoza, de acordo com os resultados da apuração. Os aliados presidenciais perderam até na província sulista de Santa Cruz, onde os Kirchner começaram sua carreira política. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinaeleiçõesresultado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.