Governo liberiano assina cessar-fogo com grupos rebeldes

Representantes do governo da Libériae de dois grupos rebeldes do país assinaram hoje em Acra um acordo de cessar-fogo após uma escalada de violência que levou o conflito para as portas de Monróvia, a capital liberiana. Todos os lados da negociação adiantaram que um acordo certamente incluiria uma garantia de que o presidente Charles Taylor renunciaria em 30 dias.As autoridades ainda não divulgaram uma cópia do acordo final assinado e, como a cerimônia ainda não foi encerrada, não é possível confirmar se essa cláusula consta realmente do pacto. Mas Taylor afirmou que está disposto a renunciar dentro do prazo determinado.O ministro da Defesa da Libéria, Daniel Chea, assinou o documento em nome de seu governo, que durante os últimos 12 meses perdeu para os rebeldes o controle sobre cerca de 60% doterritório do país.Em meio a aplausos e gritos, Chea apertou as mãos dos líderes dos dois movimentos rebeldes, Kabineh Janeh e Tia Slanger, para selar o acordo.Representantes de Estados Unidos, União Européia, Nigéria e Gana assinaram o pacto como testemunhas. Todos pressionaram pelo fim do conflito na Libéria, uma nação fundada no século 19 por escravos americanos libertados pelos colonizadores europeus.A rebelião já deixou mais de 1,3 milhão de liberianos desabrigados, sendo que centenas de milhares se refugiaram em países vizinhos. E, de acordo com grupos de defesa dos direitos humanos, ambas as partes em conflito são responsáveis por assassinatos, estupros, saques e seqüestro de civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.