Governo líbio diz ter situação sob controle

Enquanto cresciam os rumores de que Muamar Kadafi estava prestes a ver seu regime de 41 anos chegar ao fim, o porta-voz do governo, Moussa Ibrahim, apressou-se em usar a rede de televisão estatal para negar qualquer ameaça.

, O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2011 | 00h00

No pronunciamento, ele tentava transmitir segurança, questionada pelos acontecimentos das últimas horas, afirmando que a tentativa de invasão de Trípoli tinha sido rechaçada e membros do grupo de insurgentes que a empreendeu tinham sido capturados ou mortos.

No entanto, ele não negou o avanço rebelde em Trípoli, optando por dar declarações que minimizavam seus resultados. "Pessoas armadas entraram em Trípoli, mas a situação já foi controlada", disse em um primeiro momento. Em outro, afirmou que a capital líbia estava segura da investida rebelde, que, segundo suas palavras, se limitava a pequenos grupos, formados por algumas dezenas de pessoas.

Entre os insurgentes, ele ainda garantiu que a forças do regime teriam prendido argelinos, tunisianos e egípcios entre os insurgentes. E deu garantias de que Trípoli está cercada por milhares de apoiadores de Kadafi que lutariam para defendê-lo.

O porta-voz do ditador líbio também aproveitou o pronunciamento para "sugerir" a rendição de rebeldes, dizendo que aqueles que se entregassem às forças do governo seriam perdoados.

Família. Rumores de que Kadafi estaria preparando sua partida circulam desde a sexta-feira. Um avião venezuelano teria aterrissado ontem na ilha tunisiana de Djerba, com parentes do líder líbio a bordo, segundo a agência de notícias estatal chinesa Nova China, citando como fonte a rádio tunisiana Mosaique FM. A notícia foi divulgada pelo correspondente da rádio na fronteira entre a Tunísia e a Líbia.

O correspondente, que citou um fonte rebelde da cidade de Benghazi, disse que os parentes de Kadafi devem deixar a Tunísia em breve com destino à capital da Venezuela, Caracas, afirmando também que isso representa "o início do fim do governo de Kadafi".

A fonte também afirmou que é muito provável que o próprio Kadafi não esteja mais em Trípoli, após ataques aéreos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) realizados contra sua residência durante a noite.

A rede americana NBC havia afirmado na sexta-feira que Kadafi estava se preparando para fugir de seu país nos próximos dias. Fontes disseram à emissora que "os relatórios dos serviços de inteligência indicam que Kadafi está fazendo planos para deixar a Líbia com sua família".

"Os relatórios indicam que (Kadafi) poderia ir para a Tunísia, onde é possível que receba asilo político", acrescentou a NBC. Nessa semana, o secretário da Defesa dos EUA, Leon Panetta, afirmou que "as forças de Kadafi estão debilitadas" e os dias do líder à frente do país "estão contados".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.