Governo líbio não fechou seu espaço aéreo, diz Eurocontrol

Agência europeia de avião avia afirmado anteriormente que Líbia havia suspendido tráfego aéreo

Associated Press

18 de março de 2011 | 08h00

BRUXELAS - O governo não líbio fechou seu espaço aéreo nesta sexta-feira, 18, como havia informado anteriormente a Eurocontrol, a agência de tráfego aéreo da Europa. Entretanto, a agência disse que suspendeu todos os voos na região, de acordo com a zona de exclusão aérea imposta pela resolução aprovada ontem pela ONU, que também autoriza o uso da força para proteger a população líbia dos ataques das forças leais a Muamar Kadafi.

 

Veja também:

 especial Linha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Gustavo Chacra: Votação mostra nova ordem geopolítica

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especial Infográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio 

 

A agência de tráfego aéreo da Europa, a Eurocontrol, havia dito a companhias aéreas que "as últimas informações de Malta indicam que (o controle aéreo de) Trípoli não está aceitando tráfego". Pouco depois, a agência voltou atrás e disse que está tudo "normal" em Malta.

 

 

Na quinta-feira, o Conselho de Segurança da ONU autorizou "todas as medidas necessárias" para parar os ataques contra civis na Líbia, incluindo ataques por mar e ar, horas depois de Kadafi prometer lançar um ataque final e esmagar a rebelião que já dura um mês.

 

A Eurocontrol, disse ainda que não tinha informações sobre quanto tempo o espaço aéreo da Líbia estaria fechado, mas a agência disse que tinha parado todo o tráfego aéreo para a Líbia durante 24 horas.

 

"Nós aplicamos uma taxa de tráfego de zero durante todo o dia", disse um funcionário do Eurocontrol, sob condição de anonimato por não estava autorizado a falar com a imprensa.

 

Ele disse que o fechamento também pode ser afetado por decisões tomadas sexta-feira pela Otan, a aliança militar do Atlântico Norte.

 

Leia ainda:

link ONU autoriza intervenção na Líbia

link Intervenção pode ser prejudicial, diz Brasil

link 'Tornaremos a vida deles um inferno', ameaça Kadafi

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.