Governo Lula intensifica contatos com brasileiros no Oriente Médio

Nos últimos dias, o governo vem intensificando os contatos com os brasileiros que moram no Oriente Médio, dentro dos preparativos para removê-los se forem ameaçados pela guerra no Iraque, disse hoje o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.Segundo o Itamaraty, há apenas quatro brasileiros no Iraque: o zelador da embaixada, fechada desde a última guerra, em 1991, e uma família de três pessoas, todos com dupla cidadania. Até ontem, eles ainda não haviam solicitado ajuda do governo brasileiro para sair do país.O Ministério da Defesa confirmou que há dois aviões da Força Aérea Brasileira - um Hércules C-130 e um Boeing 707 - de prontidão no Rio de Janeiro para trazer os brasileiros do Oriente Médio, se o Itamaraty solicitá-los. Mas o Ministério das Relações Exteriores informou que, caso o Iraque comece a atacar os países vizinhos em reação a uma invasão americana, os brasileiros sob risco seriam primeiro removidos para um lugar seguro por terra. Somente se o risco se generalizar, serão usados os aviões da FAB para retirá-los. Segundo o Itamaraty, há cerca de 16 mil brasileiros na região: 8 mil em Israel, 6,5 mil no Líbano, mil na Síria, 601 na Jordânia,, 244 nos Emirados Árabes Unidos e no Catar, 204 no Egito, 189 no Kuwait, 174 na Arábia Saudita, 167 na Turquia e 30 no Irã, além dos quatro brasileiros iraquianos. A maioria, entretanto, possui dupla nacionalidade, ou são cônjuges de cidadãos locais, já tendo estabelecido raízes na região. No caso dos Emirados Árabaes Unidos, a embaixada brasileira acompanha de perto a situação de jogadores de futebol e familiares - 35 pessoas, no total - que, por se tratar de um agrupamento sem vínculos locais mais fortes, merece atenção especial. Entre os preparativos do governo nos últimos dias com os brasileiros do Oriente Médio está a regularização de vistos para que as pessoas possam ser transportadas com facilidade pela região, disse Amorim.De acordo com nota distribuída pelo Itamaraty, no Kuwait o deslocamento dos brasileiros seria feito em direção à Arábia Saudita; na Jordânia, a saída seria para o porto de Aqaba; em Israel, em direção ao Egito. Nos demais países, mais afastados do eventual teatro de operações, as embaixadas brasileiras estão instruídas a dar todo o apoio ao deslocamento das pessoas para locais mais seguros. O Itamaraty informou também que montou em Brasília um plantão diplomático que funcionará 24 horas por dia. A "Sala de Situação" está capacitada a prestar informações diversas sobre a crise. As consultas poderão ser feitas por correio eletrônico para cat@mre.gov.br, por fax, para o número (61) 411 6016 ou, ainda, pelo telefone (61) 411-6161.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os Ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.