EFE/Javier Lizón
EFE/Javier Lizón

Governo mais feminino da história toma posse na Espanha

Gabinete do socialista Pedro Sánchez é formado por 11 mulheres e 6 homens, tem caráter fortemente pró-Europa e dispensou símbolos religiosos ao prestar juramento ao rei Felipe VI; bancada com apenas 84 de 350 deputados antecipa governabilidade difícil

O Estado de S.Paulo

07 Junho 2018 | 10h21

MADRI - O governo do socialista Pedro Sánchez, fortemente pró-Europa e o mais feminino da história do país, com 11 mulheres e 6 homens, prestou juramento nesta quinta-feira, 7, ante o rei Felipe VI.

Governo Sánchez é o primeiro na Espanha com maioria de mulheres

Mas com apenas 84 deputados de um total de 350 na Câmara, será o governo mais minoritário em 40 anos de democracia na Espanha, o que antecipa uma governabilidade difícil.

A equipe de Sánchez, de 46 anos e sem experiência de governo, também é a mais feminino da União Europeia, à frente da Suécia (12 mulheres e 11 homens).

Seus membros prestaram juramento nesta quinta no Palácio Zarzuela, perante o rei, mas na ausência de símbolos religiosos, como o fez Sánchez, no sábado, sem a Bíblia e o crucifixo, abandonado a tradição.

Sánchez toma posse como primeiro-ministro da Espanha

Ao prestarem juramento, várias das mulheres se referiram de maneira reivindicativa ao "Conselho de ministras e ministros".

A governabilidade do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) dependerá, em grande medida, da margem dada pelo Podemos (esquerda radical) e nacionalistas bascos e catalães, que o apoiaram para derrubar na sexta-feira Mariano Rajoy (Partido Popular, direita conservadora) com uma moção de censura.

O líder do Podemos, Pablo Iglesias, lançou uma advertência nesta quinta, declarando que os socialistas "elegeram um governo solitário". "Desejamos-lhe boa sorte", disse Iglesias, em referência ao fato de que Sánchez ignorou o pedido da formação de esquerda radical para entrar no Executivo.

O novo Executivo inclui dois veteranos socialistas: a ex-ministra da Cultura Carmen Calvo, agora vice-premiê, e Josep Borrell, ex-presidente do Parlamento Europeu, agora nas Relações Exteriores. E uma contratação inesperada: a do juiz basco Fernando Grande-Marlaska, que instruiu em processos contra o ETA, na pasta do Interior.

Análise: Graças a Rajoy, crise nem chega a ser crise

Carmen Calvo também assume o Ministério de Igualdade, uma pasta recuperada por Sánchez em uma Espanha que em 8 de março viveu uma inédita greve de mulheres em defesa de seus direitos.

Sánchez nomeou mulheres para pastas muito importantes: a procuradora antiterrorista Dolores Delgado na Justiça, a porta-voz parlamentar Margarita Robles na Defesa, Magdalena Valerio no Trabalho, Reyes Maroto na Indústria e Isabel Celaá como titular da Educação e porta-voz do Executivo.

Mas, sobretudo, escolheu duas mulheres para comandar a equipe econômica de seu governo, que, segundo prometeu na semana passada, "terá como prioridade cumprir os compromissos europeus", entre eles a redução do déficit público de 3,1% de 2017 para 2,2% em 2018.

A nova ministra da Economia é a tecnocrata Nadia Calviño, até agora diretora-geral de Orçamentos na Comissão Europeia e número dois do comissário alemão Günther Oettinger, com uma experiência de 12 anos em importantes cargos em Bruxelas.

Na Fazenda a titular é María Jesús Montero, que até então desempenhava esse posto no governo regional de Andaluzia. Nos últimos anos esteve a cargo de cumprir os cortes em gasto público ordenados por seu antecessor conservador, Cristóbal Montoro.

Em nome da "estabilidade", Sánchez se comprometeu a governar o restante de 2018 com o orçamento elaborado pelo conservador Partido Popular e pendente de tramitação no Senado.

Entre as medidas-chave destacam-se um aumento de 1% a 3% das pensões mais modestas, aumentos salariais para os funcionários e a efetivação de milhares de interinos da função pública, a menos de um anos das eleições municipais, regionais e europeias, marcadas para maio de 2019.

A equipe de governo inclui na pasta de Ciência, Inovação e Universidades o primeiro astronauta espanhol, Pedro Duque. O número três do PSOE, José Luis Ábalos, por sua vez, assumirá a de Fomento, e o jornalista e escritor Maxim Huerta será titular de Cultura.

Em meio aos preparativos para o Brexit e enquanto a Itália acaba de empossar o governo eurocético da ultradireitista Liga e do antissistema Movimento 5 Estrelas, o Executivo espanhol tem um caráter pró-Europa marcante.

"Este é um governo decididamente pró-europeu. A Europa é nossa nova pátria", afirmou o novo primeiro-ministro.

Além da nomeação de Calviño, elogiada pela Comissão Europeia, o ministro das Relações Exteriores será Borrell, de 71 anos, presidente da Eurocâmara entre 2004 e 2007, e flagelo do separatismo catalão.

Borrell, nascido na Catalunha, deverá defender no exterior o relato de unidade da Espanha, após o mandato do governo conservador de Rajoy que, segundo ele, o fez "muito mal" em termos de comunicação com os separatistas.

No dia a dia, porém, será outra catalã quem deverá tratar com o governo separatista de Quim Torra: Meritxell Batet, de 45 anos, natural de Barcelona, nomeada ministra de Política Territorial.

Terá a seu favor a recente suspensão da tutela imposta à Catalunha no final de outubro e apoiada pelo PSOE devido à tentativa frustrada de secessão unilateral. / AFP

Mais conteúdo sobre:
Pedro Sánchez Espanha [Europa] mulher

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.