Governo mexicano adia venda de companhias aéreas

O governo mexicano adiou, por tempo indefinido, a venda das principais empresas aéreas nacionais, a Aeroméxico, Mexicana, Aeromar, Aerocalifornia e Aerocaribe, atendendo a uma solicitação do Congresso, até que sejam definidos os parâmetros de sua política aeronáutica, informou nesta sexta-feira. Em um comunicado enviado às comissões de Transportes, Comunicações, e Comércio da Câmara de Deputados, o Instituto de Proteção a Economia Bancária (IPAB) se comprometeu a adiar a venda durante seis meses ou "até que as autoridades estabeleçam os parâmetros da política aeronáutica de longo prazo", que estavam programadas para vigorar a partir deste primeiro semestre. O Congresso pretende que as companhias aéreas, agrupadas na Controladora Internacional de Transporte Aéreo (Cintra) sejam vendidas em um pacote, o que pode gerar 3,5 bilhões de dólares, contra os 2,5 bilhões de dólares que pode vir a ser obtido em uma venda separada. No sábado, a Câmara de Deputados pode vir a aprovar reformas na Lei Federal de Concorrência, que obrigaria o IPAB vender a Cintra em pacote, por considerar que a aviação é uma área estratégica para o país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.