Governo Morales forma grupo para conter conflitos sociais

O governo do presidente boliviano, Evo Morales, e mais de 20 sindicatos e outras organizações populares aliadas formaram nesta terça-feira um grupo com o objetivo de evitar conflitos sociais e auxiliar na execução de políticas nacionais. A criação da "Coordenação Nacional para a Mudança" resulta do esforço do governo de retomar as rédeas dos movimentos de rua, cujos protestos nos últimos dias, em Cochabamba e La Paz, pela renúncia dos governadores dos dois departamentos, estiveram a ponto de sair do controle.Há duas semanas, protestos para exigir a renúncia do governador de Cochabamba, Manfred Reyes Villa, de oposição a Evo, resultaram na morte de dois manifestantes. Preocupado com a dimensão das revoltas populares, o governo de Evo reagiu e conseguiu conter um movimento semelhante - contra o também opositor governador de La Paz, José Luis Paredes - na segunda-feira, liderada pela aguerrida Fejuve, a federação de associações de moradores da cidade-dormitório de El Alto, a 12 quilômetros de La Paz.Na segunda-feira, durante o discurso que marcou o primeiro aniversário de sua chegada ao poder, Evo admitiu que a falta de coordenação dos movimentos sociais tem sido uma das principais deficiências do governo. "Juntos, as forças sociais, o Poder Executivo, os deputados (que formam a base de apoio governista) do Poder Legislativo e a Assembléia Constituinte (instalada em Sucre) vamos garantir a mudança estrutural, social e cultural do país", discursou Evo durante o ato da fundação do grupo, que marcou oficialmente a abertura do segundo ano de mandato. O grupo é composto por organizações de mineiros, camponeses - principalmente cultivadores de folha de coca - e indígenas, além de sem-teto e agricultores sem-terra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.