Governo não aceita explicações de relator da ONU

Apesar da tentativa do relator da ONU para o Direito à Alimentação, Jean Ziegler, de amenizar as críticas ao Brasil, o governo federal considerou suas iniciativas "insuficientes e insatisfatórias".Nesta quarta-feira, as Nações Unidas divulgaram uma nota, na qual o relator afirma que não existe genocídio no Brasil, como teria dito durante sua passagem polêmica pelo País.Segundo a nota oficial da ONU, a declaração supostamente atribuída a Ziegler, de que o governo praticaria um genocídio contra sua população, é fruto de um "mal-entendido" e que, portanto, o relator não pode ser tido como responsável.Durante esta quinta-feira, Ziegler tentou estabelecer contatos com as autoridades brasileiras que estavam em Genebra para a Comissão de Direitos Humanos, entre elas o secretário de Direitos Humanos, Paulo Sérgio Pinheiro. O governo, porém, preferiu não falar mais sobre o assunto e evitar reuniões para debater as declarações de Ziegler. "Vamos agora esperar o resultado do relatório que a ONU produzirá", afirma um funcionário do Itamaraty.Até hoje, o País já recebeu seis funcionários da ONU, que prepararam relatórios sobre diversos problemas sociais brasileiros. O próximo relator deve chegar ao Brasil no segundo semestre para avaliar as execuções sumárias cometidas por policiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.