Governo nega que Chávez esteja em estado crítico

O governo da Venezuela desmentiu hoje notícias de que o presidente do país. Hugo Chávez, está em estado crítico após uma cirurgia de emergência em Cuba, insistindo que o líder está se "recuperando bem". De acordo com o governo venezuelano, ele passou por uma operação para corrigir um abscesso pélvico em 10 de junho e continua em recuperação.

AE, Agência Estado

26 de junho de 2011 | 14h43

"Ele está se recuperando", informou o ministro de Informação, Andres Izarra, à agência France Presse. O comentário sucede reportagens publicadas no jornal El Nuevo Herald, que citaram fontes não identificadas da inteligência norte-americana dizendo que Chávez está "em estado crítico - não à beira da morte, mas realmente crítico."

O diário também informou que as fontes se recusaram a comentar sobre rumores na Venezuela de que ele estaria recebendo tratamento para câncer de próstata. A filha do líder venezuelano, Rosines, e sua mãe, Marisabel Rodriguez, recentemente foram levadas a Cuba em um avião da força aérea, de acordo com o jornal.

Os inimigos de Chávez "devem parar de sonhar, e seus amigos devem parar de ficar nervosos", completou Temir Porras, um diplomata sênior, em sua página do Twitter. O próprio presidente venezuelano publicou no microblog uma breve mensagem dizendo que sua filha mais nova e três netos chegaram a Cuba para visitá-lo.

O incomum silêncio de alguém conhecido por sua onipresença verbal levou alguns inimigos a especular que Chávez pode ter passado por uma cirurgia plástica, ou pode querer angariar simpatia às custas de sua doença antes da eleições de 2012, nas quais ele buscará um terceiro mandato.

Ele foi encaminhado às pressas para uma operação de emergência, após sofrer fortes dores diagnosticadas como um abscesso pélvico que exigia cirurgia imediata. Chávez é o principal aliado político e econômico da Cuba comunista. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ChávezVenezueladoente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.