Governo organiza ofertas de doações ao Haiti

O comitê de crise montado pelo governo brasileiro no dia seguinte ao terremoto ocorrido no Haiti está organizando um banco de dados com as ofertas de doação. Para evitar o que aconteceu na época do tsunami que atingiu a Indonésia, em 2004, quando um avião com doações brasileiras foi recusado, o Brasil agora só está enviando o que é solicitado pelo governo haitiano.

ADRIANA FERNANDES, Agencia Estado

16 de janeiro de 2010 | 18h10

As prioridades no momento, segundo o ministro-chefe do gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, general Jorge Armando Felix, são água engarrafada, alimentos que não precisam de processamento e medicamentos adequados à situação. A captação das doações é feita pelo Ministério da Saúde (medicamentos e oferta de serviços), Defesa Civil (alimentos e água engarrafada) e gabinete de segurança institucional (outras ofertas de serviços).

Segundo Felix, esses órgãos registram as doações. O ministério da Defesa faz contato com o governo do Haiti para ver as necessidades mais imediatas para autorização do embarque das doações. O governo também está enviando celulares com transmissão por satélites e uma equipe de 11 funcionários oferecidos por uma empresa de telefonia para trabalharem na reconstrução da infraestrutura de telecomunicações, completamente destruída pelo terremoto.

Contatos de apoio à mobilização:

1 - Medicamentos e oferta de serviços médicos

Coordenação de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde: missaodeajudasamu192@saude.gov.br (ou 61.3315.3518)

2 - Alimentos e Água Engarrafada

Todas as unidades de defesa civil do País

www.defesacivil.gov.br

3 - Outras Ofertas de serviço

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI)

saei@planalto.gov.br (ou fax 61.34111297)

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremotodoações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.