Governo paquistanês teme ataques a Bhutto e reforça segurança

No dia 18 de outubro, ex-primeira-ministra escapou ilesa de um atentado que matou 140 pessoas

Efe,

31 de outubro de 2007 | 04h56

O governo do Paquistão alertou para a possibilidade de novos atentados contra a vida da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto e mandou reforçar a segurança da líder de oposição. No dia 18 de outubro, ela escapou ilesa de um ataque que matou 140 pessoas. Segundo informou nesta quarta-feira, 31, o canal Geo TV, o Ministério do Interior enviou na terça-feira à noite uma circular aos quatro governos provinciais do país. O texto alertava para possíveis novas tentativas de assassinato de Bhutto. Na carta, o Ministério precisou que os eventuais agressores poderiam tentar se aproximar de Bhutto simulando ser vendedores ambulantes ou seguidores de seu partido. Por isso, pediu às autoridades provinciais estritas medidas de segurança. Ainda segundo o Ministério, Bhutto deve ser alertada para recusar qualquer ramo de flores ou outro objeto entregue por supostos seguidores. Em 18 de outubro, 140 pessoas morreram em Karachi quando dois suicidas explodiram suas cargas junto ao veículo da ex-primeira-ministra, que tinha retornado a seu país horas antes, após quase nove anos de exílio. Bhutto, que já tinha dito que temia por sua vida, pediu ao governo mais proteção.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoBenazir Bhutto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.