Governo pede que sindicatos evitem "chantagem" em favor de Obrador

O governo do México pediu nesta sexta-feira aos sindicatos que apóiam o candidato da esquerda à presidência, Andrés López Obrador, por meio de protestos e alegando uma possível greve, que evitem esse tipo de "chantagem". A presidência pediu aos sindicatos que "se sujeitem às leis e respeitem as instituições", após pelo menos oito deles anunciarem a possibilidade de fazerem greve pelo reconhecimento da vitória de López Obrador, que denunciou a fraude eleitoral no México. "A chantagem não deve acontecer sob hipótese alguma", afirmou o porta-voz do governo em entrevista coletiva. López Obrador, candidato da Coalizão pelo Bem de Todos, reivindica a vitória nas eleições presidenciais de 2 de julho, apesar da contagem oficial demonstrar uma vantagem de 0,58 ponto porcentual do candidato do governo, o conservador Felipe Calderón, sobre ele. O candidato da esquerda acusou o Instituto Federal Eleitoral (IFE), principal autoridade no assunto, de incorrer em "irregularidades", e impugnou os resultados diante do Tribunal Eleitoral, exigindo uma recontagem "voto a voto".A Central Camponesa Cardenista, a União Nacional dos Trabalhadores e os sindicatos de algumas universidades e dependências governamentais anunciaram que apoiarão as mobilizações de López Obrador. Na quarta-feira houve uma série de marchas e protestos que terminaram no domingo com um grande protesto na Zócalo, a principal praça pública da capital, em apoio a López Obrador.Os sindicatos também ameaçaram unir-se em uma campanha de "resistência civil" para que obtenham o reconhecimento do que consideraram a vitória do candidato da esquerda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.