Governo pressiona por pacote de resgate

Plano econômico pode precisar de mais dinheiro, diz conselheiro de Obama

AP e Reuters, Washington, O Estadao de S.Paulo

26 de janeiro de 2009 | 00h00

O presidente dos EUA, Barack Obama, lançou ontem uma ampla ofensiva para conseguir apoio ao pacote de estímulo econômico de US$ 825 bilhões cujo objetivo é frear a crise financeira que tomou conta do país. Como parte dos esforços para conseguir a aprovação do plano no Congresso, integrantes do governo participaram ontem de uma bateria de entrevistas e não descartaram a possibilidade de que o pacote precise de mais dinheiro para estabilizar a economia.Larry Summers, o conselheiro econômico do governo, afirmou que o presidente está buscando um equilíbrio entre novos gastos e cortes de impostos no pacote para recuperação da economia, que tem sido criticado pelos republicanos por carregar demais nas intervenções estatais. Summers afirmou que Obama está tentando encontrar uma posição comum entre as objeções republicanas e a tendência de alguns democratas, que querem um pacote mais voltado para um aumentos dos gastos federais.Os democratas esperam aprovar o pacote até meados de fevereiro, mas o líder republicano na Câmara, John Boehner, disse que não haverá muito apoio do partido se não forem feitas alguns mudanças significativas no plano.O vice-presidente, Joe Biden, disse ontem que as demandas republicanas por corte de impostos não teriam um impacto suficientemente rápido sobre a economia. Segundo ele, o governo está tentando obter dinheiro "o mais rápido possível". No sábado, Obama afirmou que espera que o pacote seja aprovado no Congresso em menos de um mês.Summers admitiu ontem que talvez seja necessário mais dinheiro para estabilizar o sistema financeiro do país, enquanto a profunda recessão aumenta os prejuízos dos bancos. O chefe do Conselho Econômico Nacional também disse não haver dúvida de que os cortes de impostos aprovados durante o governo George W. Bush precisam ser revistos, embora não tenha determinado exatamente quando isso seria feito."Nós podemos obter progressos importantes e começar a trabalhar com o apoio que foi fornecido", disse Summers em entrevista à rede de TV NBC, quando questionado se contribuintes deveriam esperar um novo pedido de financiamento para socorrer o sistema financeiro.A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, também sugeriu que "um investimento maior" talvez fosse necessário. Summers disse que Obama e seu secretário do Tesouro, Timothy Geithner, dariam mais detalhes sobre a política econômica nos próximos dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.