Governo queniano aceita condições de opositores para gabinete

Vice-presidente afirma que partido apóia decisão de dissolver a administração e formar novo grupo de ministros

Agência Estado e Associated Press,

08 de abril de 2008 | 13h42

O vice-presidente do Quênia, Kalonzo Musyoka, afirmou nesta terça-feira, 8, que o partido do presidente Mwai Kibaki e seus aliados apóiam a proposta de oposição de dissolver o gabinete e permitir a formação de um novo grupo de ministros. Segundo Musyoka, o Partido da Unidade Nacional e seus aliados apóiam a proposta porque querem garantir que um novo gabinete seja formado logo.   Veja também: Oposição suspende negociações com governo no Quênia   O anúncio veio à tona apenas algumas horas depois de o principal partido de oposição a Mibaki ter anunciado a suspensão das negociações em torno de um acordo de partilha de poder até que Kibaki dissolvesse seu gabinete e aceitasse negociar a formação de um novo governo dividido igualmente.   Parlamentares leais a Kibaki "opinaram que as mãos do presidente devem estar totalmente desatadas para que ele possa formar um gabinete que possa servir bem esse país", disse o vice-presidente depois de uma reunião com os legisladores.   A suspensão das negociações foi anunciada nesta terça pelo secretário-geral do principal partido de oposição ao governo do Quênia. Anyang Nyongo, o secretário-geral do Movimento Democrático Laranja, disse que seu partido exigia que o presidente Mwai Kibaki dissolvesse o atual gabinete e negociasse um novo governo igualmente dividido ao meio entre situação e oposição.   Segundo Nyongo, o Movimento Democrático Laranja busca posições mais elevadas no governo e pretende negociar não apenas os ministérios, mas também postos diplomáticos, tudo dividido igualmente. Ainda de acordo com o secretário-geral, "isso também significa que o poder Executivo deve ser partilhado" entre Kibaki e o primeiro-ministro designado Raila Odinga. A partilha de poder é prevista por um acordo mediado pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan e fechado em fevereiro.   "Nós suspendemos as negociações até que essas condições sejam cumpridas", disse Nyongo a jornalistas em Nairóbi depois de uma reunião entre parlamentares e delegados do partido. A oposição não se pronunciou depois do anúncio do vice-presidente queniano.   A crise no Quênia começou no fim do ano passado, quando tanto Odinga como Kibaki declararam-se vencedores das eleições presidenciais realizadas em 27 de dezembro. Observadores locais e estrangeiros consideraram que a fraude eleitoral foi tamanha que seria impossível saber ao certo quem venceu. A incerteza deu início a semanas de violência política durante as quais mais de mil pessoas morreram e cerca de 600 fugiram de suas casas.   O pacto mediado por Annan controlou a violência, mas a demora na implementação do acordo de partilha de poder tem causado frustração tanto entre os quenianos quanto entre observadores estrangeiros que acompanham atentamente a situação num país que até o ano passado era elogiado como um dos mais estáveis e democráticos da África.

Tudo o que sabemos sobre:
Quênia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.