Governo reconhece que Taleban tomou distrito afegão

Forças do Exército do Afeganistão e da Otan abandonaram a região de Kandahar

Agencia Estado

21 Junho 2007 | 13h06

O governo afegão reconheceu nesta terça-feira, 19, a tomada pelo Taleban e a retirada do Exército de um distrito em Kandahar, no sul do Afeganistão, adjacente à área onde ocorreram violentos combates nos últimos dias, com até 150 mortos. Os militantes taleban tinham reivindicado antes a tomada do distrito de Miya Nishin, que fica perto do centro do país e da área de Chora (na região de Uruzgan), onde nos últimos dias ocorrem violentos combates entre os insurgentes e as tropas internacionais. "Isso é só uma retirada tática, e a operação para retomar o distrito começou, com ajuda do Exército afegão e da Otan", disse um porta-voz do Ministério do Interior, Zamarai Bashari. "Os taleban sofreram muitas perdas", disse Bashari, acrescentando que a Polícia não sofreu baixas. Em Chora, uma série de violentos combates e bombardeios deixou muitos civis em meio ao fogo cruzado, segundo uma fonte oficial afegã, mas o porta-voz da Otan John Thomas confirmou só estão sendo investigadas as notícias sobre civis feridos. "Um soldado e dois policiais morreram. Só temos um relatório que conta dez civis feridos na operação", informou Thomas, que precisou que os combates continuam e que causaram a morte cerca de 60 insurgentes. No terreno, no entanto, Mawlawi Amdullah, membro do Conselho Provincial de Uruzgan, tinha denunciado a existência dos cadáveres de 70 insurgentes, 16 policiais e 60 civis, incluindo mulheres e crianças. A tomada do distrito de Miya Nishin reafirma que Kandahar é um dos redutos dos insurgentes, que intensificaram suas atividades com a chegada do calor. O Afeganistão enfrenta nestes dias uma onda de combate, atentados, ataques suicidas e bombardeios da aviação americana, como o que neste domingo matou sete crianças que estavam em uma escola da província de Paktika.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão Taleban Kandahar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.