Governo recorrerá a 'obamistas' para aprovar reformas

?Nós fizemos os telefonemas, nós assinamos os cheques e agora é hora de comemorar o papel que os voluntários tiveram na eleição de Barack Obama e Joe Biden. Vamos celebrar o amanhecer de um novo dia nos EUA.? Essa é a mensagem do Baile do Povo, uma festa em comemoração à posse do presidente eleito. Os "obamistas", milhares de pessoas que se sentem responsáveis pela eleição de Obama e que tiveram, pela primeira vez, tanto engajamento em uma campanha, preparam-se agora para começar a ?ajudar? o próximo presidente norte-americano a governar.Dentro do novo governo, a estratégia de mobilizar os "obamistas" para promover a agenda do presidente é chamada de Obama 2.0. A Casa Branca vai usar os cerca de 10 milhões de e-mails reunidos durante a campanha presidencial para conseguir apoio para políticas polêmicas, como a reforma do sistema de saúde, o combate às mudanças climáticas, imigração, o restabelecimento da influência dos Estados Unidos no mundo, entre outras.No sábado, centenas de pessoas que trabalharam como voluntários na campanha de Obama se reuniram em uma cúpula de ativistas organizada pelo grupo DC for Obama, na qual discutiram estratégias de promoção da agenda do ?movimento?. ?Estamos prontos para mobilizar nossos membros nas questões que forem necessárias?, disse ao Estado Alex Lawson, chefe do grupo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.