Felipe Corazza/ESTADAO
Felipe Corazza/ESTADAO

Governo recua novamente e reedita autorização para residência temporária de venezuelanos

Autorização havia sito editada no dia 22 de fevereiro, mas acabou sendo anulada; segundo a Polícia Federal, mais de 58 mil cidadãos da Venezuela fugiram nos últimos 12 meses para Pacaraima, em Roraima

O Estado de S.Paulo

03 de março de 2017 | 08h33

BRASÍLIA - O governo brasileiro voltou atrás novamente e decidiu reeditar o ato que autoriza residência temporária, por até dois anos, a estrangeiros que tenham entrado no Brasil por via terrestre e sejam nascidos em países fronteiriços, o que beneficiará principalmente imigrantes venezuelanos que têm procurado abrigo na região Norte do Brasil, sobretudo em Roraima, fugindo da grave crise econômica e política do país vizinho.

Inicialmente, a autorização havia sido editada no dia 22 de fevereiro pelo Conselho Nacional de Imigração (CNIg), vinculado ao Ministério do Trabalho, mas no dia seguinte foi anulada pelo órgão, que na ocasião não explicou os motivos do cancelamento do ato. Nesta sexta-feira, 3, o Diário Oficial da União (DOU) traz uma nova resolução normativa do CNIg sobre o assunto, com o mesmo teor da primeira que havia sido anulada. Trata-se da Resolução Normativa 126/2017.

Pelo texto, a residência provisória por dois anos poderá ser concedida aos estrangeiros dos países que fazem fronteira com o Brasil, que não fazem parte do Acordo de Residência do Mercosul, e tenham chegado ao Brasil por via terrestre. O interessado deverá fazer sua solicitação nas unidades da Polícia Federal, apresentando alguns documentos, como fotos, cédula de identidade ou passaporte válido, certidão negativa de antecedentes criminais emitida no Brasil e declaração de que não foi processado criminalmente no país de origem.

"O estrangeiro que pretenda se beneficiar da presente resolução normativa e tenha solicitado refúgio no Brasil deverá apresentar às unidades da Polícia Federal declaração de preferência de regularização de estada", cita o texto do CNIg. "A declaração de preferência será encaminhada ao Comitê Nacional para Refugiados (Conare) para as providências administrativas a seu encargo."

A resolução do CNIg terá vigência de um ano, mas poderá ser prorrogada. Ela atende ao pedido do Ministério Público Federal, Defensoria Pública da União e de instituições humanitárias como Cáritas e Conectas, para ajudar os venezuelanos. De acordo com a Polícia Federal, mais de 58 mil cidadãos da Venezuela fugiram nos últimos 12 meses para Pacaraima, em Roraima. Veja aqui a nova resolução.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaImigraçãoBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.