Governo se prepara para conflito com comissão

A decisão do juiz James Pohl de manter os julgamentos em Guantánamo apesar da ordem executiva assinada pelo presidente Barack Obama pegou a Casa Branca e o Pentágono de surpresa. "Acabamos de tomar conhecimento da decisão e estamos consultando o Pentágono e o Departamento de Justiça para saber quais as nossas opções", disse Robert Gibbs, porta-voz da Casa Branca. Ele disse duvidar que o fato limite a margem de manobra do governo em relação a Guantánamo. No Pentágono, o discurso foi mais duro. "Este departamento cumprirá a ordem do presidente. E, enquanto ela estiver em vigor, não haverá processos em Guantánamo julgados por comissões militares", disse o porta-voz Geoff Morrell.Analistas dizem que a decisão agora cabe a Susan Crawford, encarregada do Pentágono de aprovar ou arquivar os casos relacionados a Guantánamo. Ela pode retirar as acusações - o que anularia a decisão do juiz - e restabelecê-las mais tarde em tribunais federais ou militares.Alguns advogados militares pediram que o governo retirasse as acusações de todos os casos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.