Governo sérvio vai extraditar suspeitos de crimes de guerra

Acuado pelo prazo estipulado pelos Estados Unidos para entregar suspeitos de crimes de guerra, o governo da Sérvia adotou formalmente, nesta quarta-feira, as regras do tribunal de crimes de guerra das Nações Unidas, ao permitir este tipo de extradição.O presidente iugoslavo, Vojislav Kostunica, e seus seguidores nacionalistas, se opuseram às extradições para o tribunal de Haia, na Holanda, dizendo que elas são ilegais, e exigiram que uma lei nacional especial seja adotada para permitir a entrega de suspeitos pela Sérvia.O ministro da Justiça sérvio, Vladan Batic, no entanto, disse que após meses de debates legais infrutíferos e de conflitos entre as facções políticas favoráveis e contrárias à esta lei nacional, o governo sérvio vai "restabelecer a decisão da implementação automática do estatuto do tribunal de Haia". A medida acontece um dia depois que a corte constitucional da Iugoslávia, dominada pelos nacionalistas, determinou que o estatuto do tribunal de Haia não pode ser aplicado ao país, disse Batic.A medida do governo para restabelecer o estatuto do tribunal apesar da ameaça constitucional, indica que as autoridades estão prontas para prender e extraditar pelo menos alguns dos 15 sérvios, suspeitos de crimes de guerra, que vivem na república e são procurados pelo tribunal de Haia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.