Governo sul-sudanês viola cessar-fogo, dizem rebeldes

Rebeldes do Sudão do Sul dizem que as forças do governo estão atacando suas posições, um dia depois de um cessar-fogo ter sido assinado. O general brigadeiro Lul Ruai Koang, porta-voz da oposição, disse nesta sexta-feira que as forças do governo estavam atacando posições rebeldes nos Estados de Unity e Jonglei.

Agência Estado

24 de janeiro de 2014 | 13h33

Koang disse que os "ataques simultâneos" são uma "clara violação" do acordo de paz assinado na Etiópia na quinta-feira. Segundo ele, as forças rebeldes se defenderam dos ataques.

Já o porta-voz militar do governo sul-sudanês, coronel Philip Aguer, disse não ter informações sobre qualquer novo incidente, mas afirmou que houve confrontos em Jonglei na quinta-feira. Segundo ele, se novos episódios de violência aconteceram, "foi porque os rebeldes atacaram" soldados do governo.

Os confrontos entre unidades rivais do exército tiveram início na capital, Juba, em 15 de dezembro. O presidente Salva Kiir acusou o ex-vice-presidente Riek Machar de tentar aplicar um golpe.

O conflito rapidamente se transformou numa guerra entre o Exército regular, que é apoiado por tropas de Uganda, e desertores e uma milícia étnica, o que também colocou a tribo dinka, da qual Kiir faz parte, contra a etnia nuer, de Machar.

Estima-se que a onda de violência tenha deixado um saldo de pelo menos 10 mil mortos e forçado meio milhão de pessoas a deixarem suas casas. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.