Governo tailandês rejeita renúncia proposta por chefe militar

Exército nega golpe, mas pede eleições antecipadas; opositores ocupam aeroporto e impedem saída de turistas

Reuters e Associated Press,

26 de novembro de 2008 | 10h58

 O comandante do Exército tailandês, Anupong Paochinda, sugeriu nesta quarta-feira, 26, que o governo eleito do país renuncie e convoque eleições antecipadas para conter a prolongada crise política. Nattawut Saikuar, porta-voz do governo, rejeitou essa proposta. "O primeiro-ministro (Somchai Wongsawat) já disse muitas vezes que não renunciará nem dissolverá o Parlamento, porque foi democraticamente eleito. Isso continua valendo", afirmou ele a uma emissora de TV.  Veja também:Assustados, turistas só pensam em sair da Tailândia O general reiterou que não pretende realizar um golpe, como aconteceu em 2006, contra o governo do então premiê Thaksin Shinawatra. Em entrevista coletiva em Bangcoc, ele disse também que a Aliança Popular pela Democracia (APD) deveria desocupar o aeroporto internacional da capital e suspender sua campanha contra o governo. "O primeiro-ministro deveria dissolver o Parlamento e convocar uma eleição antecipada", disse Anupong, resumindo um plano de quatro itens contra a crise. Não houve uma reação imediata da APD, que na segunda-feira intensificou os protestos, isolando o principal aeroporto da cidade e levando ao cancelamento de todos os vôos na quarta-feira. Somchai, acusado pela APD de ser um fantoche de Shinawatra, volta na quarta-feira do Peru, onde participou da cúpula da Apec (bloco Ásia-Pacífico). O vôo dele foi redirecionado para um destino não-divulgado. A imprensa especula que, uma vez em Bangcoc, ele pode decretar estado de emergência. Antes, o dirigente oposicionista Sondhi Limthongul rejeitou uma oferta de diálogo com o governo para tentar resolver a situação no aeroporto, onde milhares de assustados turistas estão retidos. Membros mascarados da APD invadiram a torre de controle do aeroporto Suvarnabhumi, e um grupo governista rival anunciou que vai colocar seus militantes nas ruas, o que abre a possibilidade de confrontos. "O que eles (APD) fizeram são atos terroristas", disse o político governista Jatuporn Prompan, líder da chamada Aliança Democrática contra a Ditadura, em entrevista coletiva. O movimento oposicionista, chamado Aliança do Povo pela Democracia, exige a saída de Somchai, acusando-o de ser um títere do ex-primeiro-ministro Thaksin Shinawatra. O ex-líder foi deposto em um golpe militar em 2006, após meses de protestos nas ruas, sob acusações de corrupção e abuso de poder. Thaksin foi condenado na Tailândia, porém vive exilado no Reino Unido. Ele afirma ser inocente e que as acusações são políticas. Somchai é cunhado de Thaksin. Nesta quarta-feira, o aeroporto internacional de Bangcoc deve permanecer fechado, segundo as autoridades locais. Com a interrupção milhares de passageiros foram prejudicados, entre eles vários estrangeiros. O aeroporto Suvarnabhumi é o 18.º mais movimentado do mundo, com 700 vôos diários, e transportou 40 milhões de passageiros em 2007.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.