Carlos Barria/REUTERS
Carlos Barria/REUTERS

Governo Trump aumenta tensão e diz para agências rejeitarem equipe de transição de Biden

Funcionários de todo o governo foram informados de que o processo não seria reconhecido até a confirmação da Administração de Serviços Gerais, que tem travado a transição

Lisa Rein, Matt Viser, Greg Miller e Josh Dawsey, The Washington Post

10 de novembro de 2020 | 11h36

A Casa Branca instruiu na segunda-feira, 9, os líderes do governo a bloquearem a cooperação com a equipe de transição do presidente eleito Joe Biden, aumentando um impasse que ameaça impedir a transferência de poder e levando a equipe do democrata a considerar uma ação legal.

Funcionários de agências de todo o governo que prepararam documentos com instruções e abriram espaço para a nova equipe do democrata foram informados de que a transição não seria reconhecida até que a eleição do democrata fosse confirmada pela Administração de Serviços Gerais (GSA), a agência que oficialmente inicia a transição.

“Disseram-nos: ignore a mídia, espere até que o resultado seja oficial do governo”, afirmou um alto funcionário do governo, que, como outros, falou sob condição de anonimato porque não estava autorizado a falar publicamente. 

A administradora da GSA, Emily Murphy, nomeada política de Trump que permaneceu por um mandato completo em uma administração onde a rotatividade tem sido a norma, se recusou a assinar a papelada que libera cerca de US$ 6,3 milhões em recursos, informações e acesso à equipe de Biden para conduzir a transição.  

Em uma indicação da crescente frustração entre os funcionários da transição de Biden, eles organizaram uma ligação com repórteres na noite de segunda para expor alguns dos serviços do governo que a decisão de Murphy está atrapalhando. Isso inclui ligações facilitadas pelo Departamento de Estado para líderes estrangeiros e acesso a instalações seguras onde podem revisar informações sigilosas.

A equipe avalia as opções jurídicas e está cada vez mais preocupada com a possibilidade de o impasse se arrastar e impedir o trabalho. A campanha foi preparada durante semanas para a possibilidade de Trump não avançar com uma transferência pacífica de poder.

Ainda assim, com apostas muito altas para Biden durante um dos períodos mais voláteis da história americana - com uma economia fraca e um governo se preparando para a difícil tarefa de distribuir uma vacina contra o coronavírus - uma transição nebulosa está começando a tomar forma.

Os democratas estão fora do poder há apenas quatro anos, e a equipe de Biden está começando a fazer muitos contatos dentro e fora do governo, de acordo com a pessoas transição e ex-funcionários do Estado.

Agências aguardam decisão de Murphy

Na segunda, muitas agências, desde a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) até o Departamento de Assuntos de Veteranos (VA), apoiaram a decisão de Murphy de adiar a "determinação" de um vencedor da eleição. Nomeados políticos disseram a seus funcionários, incluindo funcionários públicos de carreira, para não responderem a contatos da equipe de Biden, se houver.

Não há instruções formais sobre projetos, orçamentos, pontos problemáticos ou operações do dia-a-dia das agências - dados cruciais que ajudam uma administração a formar um novo governo. 

O principal nomeado político da USAID, que fornece bilhões de dólares em assistência humanitária a países estrangeiros, disse à equipe que a agência não cooperaria com a transição até que Murphy concordasse. John Barsa, vice-administrador interino, disse a colegas que Biden não havia vencido a eleição, enfatizando a importância de não apoiar o processo de transição.

Um livro de instruções de 440 páginas para a equipe do próximo presidente está pronto e esperando na agência. “O único anúncio oficial sobre um resultado eleitoral que importa é do chefe da GSA”, disse Barsa, de acordo com a gravação de uma ligação publicada pelo Washington Free Beacon, um site conservador.

Em outras partes do governo, meses de preparação por funcionários de carreira para transmitir informações à equipe que chegava ficaram no limbo, e alguns funcionários seniores não receberam comunicações dos principais líderes de suas agências.

Na Agência de Proteção Ambiental, um porta-voz disse que o planejamento de transição seria “inapropriado, já que os votos ainda estão sendo contados”. O Escritório de Gestão e Orçamento “não estava em transição” na segunda, disse um funcionário da empresa.

A equipe de carreira no vasto sistema do Departamento de Assuntos de Veteranos (VA) estava dando os toques finais em um conjunto de documentos informativos para a equipe Biden, no entanto, cobrindo políticas de saúde privada, protocolos de coronavírus e um grande projeto de registros eletrônicos de saúde. 

Os democratas no Capitólio condenaram Trump por minar uma transição suave de poder e exigiram que Murphy liberasse US$ 9,9 milhões em fundos de transição que podem ser usados ​​para contratar funcionários e comprar equipamentos. Os republicanos defenderam o direito do presidente de recontar ou questionar votos. 

Eleição de 2000 é precedente

Os acontecimentos na disputada eleição de 2000 entre o democrata Al Gore e o republicano George W. Bush são vistos como uma esperança, já que o chefe da GSA nomeado por Bill Clinton esperou por uma resolução antes de iniciar a transição.

A campanha de Biden disse que há esperança de que Murphy e seus aliados da Casa Branca mudem de ideia. Eles voltaram seu foco no início desta semana para preencher cargos importantes na Casa Branca, como chefe de gabinete e nomear uma força-tarefa para a resposta do governo ao coronavírus.

“Há coisas em que uma transição pode ser melhorada pela cooperação, mas não é absolutamente dependente dela”, disse Michael Leavitt, ex-governador de Utah e secretário de saúde e serviços humanos que planejou a transição potencial para Mitt Romney em 2012 e depois trabalhou para a reforma a lei que rege as transições.

O que diz a lei 

A Lei de Transição Presidencial, aprovada pelo Congresso em 1963, não especifica quais fatores o administrador da GSA deve considerar ao determinar o vencedor de uma eleição, dando a Murphy margem de manobra para atrasar o processo. 

Para a equipe de Biden, não avançar legalmente poderia ter implicações para a segurança nacional porque o novo governo estaria mal equipado para lidar com as ameaças atuais que o país enfrenta. 

“Há uma série de opções legais”, disse um membro do time de transição de Biden, recusando-se a ser mais específico. Com os recursos de transição formais fora de alcance no momento, os funcionários do democrata estão conversando informalmente com pessoas dentro e fora do governo para entender o que está por vir nas agências federais.

Plano

Como parte do plano de Biden, a equipe fez listas de funcionários graduados que saíram recentemente de agências importantes e que podem ajudar os novos funcionários a se atualizarem.

Murphy, no entanto, continua impassível e pediu orientação várias vezes nos últimos dias ao administrador da GSA de Clinton, o democrata David Barram, que aguardou os resultados da recontagem da Flórida e da decisão da Suprema Corte em 2000 antes de entregar os recursos de transição.

“É a situação mais próxima do que temos agora”, disse o funcionário. “Emily está seguindo a lei e está seguindo o precedente.”

Murphy e seus aliados estão rejeitando as alegações dos democratas de que o governo Trump tinha motivos políticos quando instalou um novo conselho geral na GSA cinco dias antes da eleição.

Trent Benishek tinha sido um assistente especial no Gabinete do Conselho da Casa Branca e foi enviado para a GSA logo depois que o procurador-chefe anterior da agência saiu para buscar um emprego no setor privado. Benishek agora supervisiona 137 procuradores e, como principal consultor jurídico, provavelmente estará no meio das decisões sobre a transição.

O funcionário sênior da administração descreveu sua contratação como “uma mudança normal” e uma oportunidade de carreira com mais responsabilidade e salários mais altos. Ao mesmo tempo, a administração Trump está usando a transição para se separar de alguns nomeados de lealdade questionável. O secretário da Defesa, Mark T. Esper, foi demitido na segunda-feira.

Na semana passada, enquanto os votos estavam sendo contados, o chefe da Comissão Federal de Regulamentação de Energia foi destituído de seu posto de liderança e o segundo funcionário da USAID foi demitido.

John McEntee, diretor do Gabinete de Pessoal Presidencial, disse aos nomeados políticos que eles serão demitidos se forem pegos à procura de emprego, de acordo com um funcionário do governo familiarizado com suas conversas.

O esforço de Biden está sendo supervisionado por Ted Kaufman, um de seus conselheiros mais próximos e mais antigos. Kaufman também ajudou a co-escrever uma atualização da lei que rege as transições, que foi aprovada em 2015 e assinada pelo presidente Barack Obama.

Embora essa lei visasse suavizar o processo de transição, exigindo que ambos os candidatos presidenciais comecem os preparativos após as convenções de seus partidos, ela não previa um conflito no qual o administrador da GSA se recusasse a declarar o vencedor. Após a eleição contestada de 2000, demorou até 12 de dezembro para o governo Bush iniciar o processo de transição, sem acesso a muitos recursos do governo federal.

O início lento do governo e a falta de pessoal qualificado foram citados pelo relatório da Comissão de 11 de setembro como uma vulnerabilidade crítica para a segurança nacional dos EUA que levou a reformas na lei.

A equipe de transição de Biden recebeu computadores do governo e iPhones para conduzir comunicações seguras, por exemplo, e recebeu aproximadamente 900 m² de espaço de escritório no Edifício Herbert C. Hoover em Washington, embora a maior parte do trabalho esteja sendo feita remotamente por causa da pandemia.

Os conselheiros também receberam autorizações de segurança temporárias e passaram por verificações de antecedentes do FBI para acelerar o processamento do pessoal que pode receber instruções de inteligência.Se o processo não avançar, a equipe Biden não terá acesso aos fundos de transição. Mas é permitido pela lei aceitar doações de até US$ 5 mil de qualquer pessoa ou organização. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.