Bloomberg photo by Marco Bello
Bloomberg photo by Marco Bello

Governo Trump publicou recomendações alteradas sobre teste de covid-19, diz 'NYT'

Após a reportagem, o site dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs) reverteram a publicação e passaram a recomendar que pessoas assintomáticas expostas à covid-19 precisam sim se submeter a testes  

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2020 | 16h32

WASHINGTON - O governo americano postou recomendações controvertidas sobre os testes de detecção do coronavírus no site da agência de saúde dos Estados Unidos, relatou o jornal The New York Times, na quinta-feira, 17.

As diretrizes, que garantiam que não era necessário testar pessoas assintomáticas que haviam sido expostas à covid-19, foram criticadas ao serem publicadas no mês passado.

Nesta sexta-feira, após a publicação da reportagem, o site dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDCs) reverteu a recomendação. 

À época, especialistas em saúde pressionavam pela realização de mais testes para ajudar a rastrear e a controlar a disseminação do coronavírus. Nos EUA, chega a quase 200 mil o número de mortos por covid-19.

O jornal disse que a recomendação polêmica foi postada no site dos CDCs, "apesar de suas sérias objeções". Nesse sentido, o Times cita documentos internos desses centros e declarações de funcionários anônimos familiarizados com o assunto.

"O Departamento de Saúde e Serviços Humanos reescreveu (a norma) e então 'postou' no site público do CDC, contornando o processo de revisão científica estrito da agência", noticiou o jornal.

Uma autoridade federal disse ao New York Times que o documento saiu do Departamento de Saúde e Serviços Humanos e da Força-Tarefa da Casa Branca para o Coronavírus. "Essa política não reflete o que muitas pessoas no CDC acham que a política deveria ser", frisou o funcionário.

O New York Times relatou que especialistas em saúde do CDC levantaram "sérias objeções" ao documento, observando que ele continha "erros elementares", bem como recomendações "inconsistentes" com o conselho do órgão, contou um cientista dessa instituição, sob a condição de anonimato.

O jornal garante que, no momento da publicação das diretrizes, funcionários do governo disseram que "o documento era produto do CDC e foi revisado com informações do diretor da agência, Robert Redfield".

Na alteração publicada hoje, a frase anterior, que sugeria que pessoas assintomáticas que tiveram contato próximo com um  indivíduo infectado “não precisam necessariamente de um teste”, agora as instrui claramente: “Você precisa de um teste”. 

Os especialistas saudaram a mudança como consistente com pesquisas que mostram que pessoas sem sintomas podem espalhar o vírus para outras. “É bom ver a ciência e as evidências ocupando um lugar de destaque para uma mudança”, disse Scott Becker, presidente-executivo da Associação dos Laboratórios Públicos de Saúde./EFE e NYT  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.