REUTERS/George Frey
REUTERS/George Frey

Governo Trump se prepara para proibir acessório que melhora armas semiautomáticas

Fonte ouvida pelo jornal 'The New York Times' diz que veto ao bump stock - que permite disparar rajadas de tiros como se as armas fossem automáticas - será anunciado nos próximos dias ou semanas

O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2018 | 15h22
Atualizado 30 de novembro de 2018 | 15h10

WASHINGTON - O governo americano está se preparando para banir oficialmente o uso de bump stocks em armas de fogo, o que também acabaria com a venda deste acessório que modifica armas semi-automáticas e permite que sejam disparadas rajadas com dezenas de tiros, de forma similar a uma arma automática.

A decisão é uma consequência a uma ordem do presidente Donald Trump que, no começo do ano, pediu que o Departamento de Justiça dos EUA regulamentasse esse tipo de dispositivo.

Uma fonte do governo ouvida pelo jornal The New York Times afirmou que a proibição formal será anunciada nos próximos dias ou semanas. Trump, que nas últimas semanas indicou que a proibição poderia sair do papel, pediu que o Departamento de Justiça reexamine os regulamentos depois de um tiroteio em massa em fevereiro em uma escola de ensino médio na Flórida deixou 17 mortos.

A declaração do presidente desencadeou uma série de eventos que surpreenderam funcionários do Departamento de Álcool, Tabaco, Armas de Fogo e Explosivos, que já haviam sido encarregados de revisar se os dispositivos poderiam ser banidos após um massacre em Las Vegas em outubro. 2017.

Naquele ataque, o mais mortífero da história moderna dos EUA, um atirador usando armas equipadas com um bump stock matou 58 pessoas. Stephen Paddock, autor do massacre em Las Vegas, disparou cerca de 90 tiros em 10 segundos.

No mês passado, Trump disse publicamente que uma proibição ao equipamento estaria perto de ser decretada. "Estamos eliminando os estoques (de bump stock)", disse o presidente durante uma entrevista para anunciar um novo acordo comercial com o Canadá. "Eu disse para a NRA: os bump stocks devem acabar."

A iniciativa de proibir os bump stocks tinha sido recebida com ceticismo por legisladores democratas no Congresso, que questionaram se a medida seria suficiente para combater os ataques a tiro nos EUA (o dispositivo não foi usado no tiroteio na Flórida, na Marjory Stoneman Douglas High School, por exemplo). A medida também chamou a atenção de congressistas que disseram que uma medida executiva sobre os dispositivos poderia levar a batalhas judiciais.

A Associação Nacional do Rifle (NRA) não comentou o assunto, mas a organização inicialmente apoiou a revisão do uso e da venda dos dispositivos após o ataque em Las Vegas. Ao mesmo tempo, a NRA também instou o Congresso a aprovar uma lei que permitiria que portadores de permissão de transporte oculto carregassem as armas em todos os 50 Estados americanos.

Embora tenha trabalhado para proibir os bump stocks, Trump continua sendo um defensor dos direitos das armas e da Segunda Emenda da Constituição americana. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.